Produção de motocicletas registra alta de 7% em julho

Produção de motocicletas registra alta de 7% em julho

A indústria brasileira de motocicletas mostra que tem acelerado o ritmo de produção nas fábricas. Conforme balanço do segmento divulgado pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo), na última quarta-feira (12), a produção de motocicletas alcançou 97,9 mil unidades em julho, volume que representou crescimentos de 25,3% em relação a junho (78,1 mil) e de 6,8% no confronto com o mesmo mês do ano passado, quando registrou 91,7 mil motos produzidas.

Divulgação Abraciclo

Para o presidente da instituição que representa os fabricantes de setor de duas rodas, Marcos Fermanian (Foto), os resultados apontam um alívio frente à situação provocada pela pandemia da covid-19. “Os números mostram uma curva ascendente de produção, com recuperação gradativa dos volumes nas fábricas.”

O acumulado do ano, no entanto, ainda carrega perdas. As 490,1 mil motocicletas produzidas até julho representaram uma queda significativa de 22,1% em relação às 628,8 mil unidades montadas um ano antes.

Na avaliação do dirigente da Abraciclo, em virtude do fechamento das fábricas por quase dois meses como medida para conter o avanço de contágio da covid-19, o Polo Industrial Manaus (PIM) vive um momento de ajustes para adequar a produção. ‘O setor ainda enfrenta um desequilíbrio entre oferta e demanda em relação a determinados modelos de motocicletas’, resume.

Evolução nas vendas

Pelos números de licenciamento, o mercado também experimenta uma retomada gradual. No mês passado, foram emplacadas 85,1 mil motocicletas, volume 85,7% superior ao de junho, com 45,8 mil registros. O desempenho, porém, foi insuficiente para superar as vendas de julho do ano passado, quando anotou 90 mil motocicletas negociadas, um recuo de 5,4%.

De acordo com o balanço da Abraciclo, no entanto, a média das vendas diárias vem registrando crescimento ao longo dos últimos três meses. Somente no recorte do mês passado em relação a junho, com 23 e 20 dias úteis, respectivamente, a alta foi de 61,4%, de 2,2 mil unidades para 3,7 mil motocicletas.

Retomada

“Ao avaliar o desempenho do mercado pela média diária de vendas de cada quinzena de março a julho, verifica-se um crescimento constante e, portanto, consistente, desde o fim de maio até os dias atuais. evolução decorre da retomada dos níveis de produção das fábricas e, simultaneamente, da flexibilização e expansão das atividades comerciais nas cidades brasileiras” observa Fermanian.

No acumulado do ano as vendas no varejo somaram 435,2 mil unidades, um declínio de 29,8% em relação ao mesmo período do ano passado, quando fechou os sete primeiros meses com 620 mil motocicletas vendidas.

Exportações crescem em julho

A indústria de motocicletas também obteve resultados positivos nas exportações. Em julho, embarcaram 4,4 mil unidades para fora do País, volume 50,5% superior ao anotado em junho, de 2,9 mil motos, e 59% maior ao de julho de 2019, período no qual as remessas somaram 2,7 mil unidades.

Colômbia, Argentina e Estados Unidos foram os principais mercados compradores das motocicletas brasileiras no mês passado, com participações no total embarcado de 31,7%, 22,8% e 18,8%, respectivamente.

No acumulado do ano, as exportações somaram 14,8 mil unidades, declínio de 35,9% na comparação com o mesmo período de 2019 (23.180 unidades).

Delivery

Em meio à pandemia da covid-19, o aumento do volume nas entregas através dos serviços de entrega em domicílio amenizou a queda nas vendas de motocicletas no país, conforme levantamentos realizados pela Fenabrave.

Mais Lidas

Últimas Notícias

LEIA MAIS