Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Diretor da CNI é nomeado para vaga no Conselho Nacional de Proteção de Dados

Nomeação do diretor adjunto Jurídico da CNI, Cassio Augusto Borges, foi publicada nesta terça-feira. Ele terá mandato de dois anos no órgão responsável pelo acompanhamento da Lei Geral de Proteção de Dados

O diretor adjunto Jurídico da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Cassio Augusto Borges, foi nomeado nesta terça-feira (10) para uma vaga de integrante do Conselho Nacional de Proteção de Dados Pessoais e da Privacidade (CNPD). Ele foi escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar uma das cadeiras do recém-criado órgão, vinculado à Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD). A nomeação foi publicada no Diário Oficial da União.

Cassio Borges havia sido indicado em maio para compor uma das listas tríplices para vaga de conselheiro, destinada a confederações sindicais representativas das categorias econômicas e do setor produtivo. No total, foram nomeados 13 integrantes para o CNPD, representando diferentes segmentos da sociedade, que se juntarão a outros 10 indicados por órgãos públicos, como Câmara dos Deputados, Senado e Conselho Nacional de Justiça (CNJ), totalizando 23 membros, titulares e suplentes, com mandato de dois anos, para formar a primeira composição do Conselho. 

conteúdo patrocinado

O CNPD terá como principal função propor diretrizes estratégicas e fornecer subsídios para aplicação da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), além de ser responsável por sugerir ações a serem realizadas pela ANPD, elaborar relatórios e estudos, realizar debates e audiências públicas, assim como disseminar o conhecimento sobre a proteção de dados no Brasil.

Diretor

Cassio Borges integra a CNI desde 1997. Já exerceu as funções de advogado, gerente-executivo Jurídico, superintendente Jurídico e, atualmente, de diretor adjunto Jurídico. “A indústria brasileira tem muito a contribuir com a Autoridade Nacional de Proteção de Dados, principalmente neste momento em que o órgão está sendo estruturado para cumprir adequadamente todas as funções e desafios impostos pela LGPD”, afirma Borges.

Contribuição para a LGPD

A CNI considera que o segmento industrial tem muito a contribuir com a formulação e o reconhecimento de normas setoriais para a aplicação da LGPD. A indústria responde por 21,6% do PIB do Brasil, por 20,2% do emprego formal do país (9,4 milhões de trabalhadores), por 70,8% das exportações de bens e serviços, por 67,4% da pesquisa no setor privado e por 34,2% dos tributos federais (exceto receitas previdenciárias, que equivalem a 28,7%). Além disso, a cada R$ 1,00 produzido na indústria, são gerados R$ 2,40 na economia brasileira.

Para Cassio Borges, a CNI poderá colaborar com o crescimento e o amadurecimento da ANPD, legitimando o seu agir institucional. “A indústria brasileira tem total capacidade para auxiliar na definição das diretrizes e dos subsídios que servirão de base para a construção de uma política nacional de proteção de dados pessoais”, destaca.

Confira aqui a publicação do Diário Oficial, com a lista com todos os nomeados para o CNPD.

Fonte: Portal da Indústria CNI

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado