Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Estudo brasileiro sobre Inteligência Artificial é publicado em revista científica americana

A pesquisa foi publicada na National Library of Medicine (Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos ), que é a maior biblioteca médica do mundo, em 21 de abril de 2021.

A Universidade Federal de Sergipe (UFS) testou a eficiência do software criado pela Radio Memory, o CEFBOT, para averiguar se ele conseguia ter a mesma precisão que a de uma pessoa em mapear os pontos do exame de cefalometria manualmente. A pesquisa foi publicada na National Library of Medicine (Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos ), que é a maior biblioteca médica do mundo, em 21 de abril de 2021.

No estudo foram escolhidos 66 pontos de referência e as dez medidas lineares e angulares selecionadas da análise de Arnett foram identificadas em cada radiografia por um examinador humano treinado e pelo software. Para ambos os métodos, as anotações e medições dos pontos de referência foram duplicadas com um intervalo de 15 dias entre as medições e o coeficiente de correlação intraclasse (ICC) foi calculado para determinar a confiabilidade.

As medições realizadas pelo examinador humano e pelo software não foram estatisticamente diferentes. Como resultado, o CEFBOT foi reconhecido como uma ferramenta promissora para o aprimoramento das capacidades de radiologistas humanos, comprovando a sua eficácia.

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado

Com dados coletados durante anos, o Módulo Inteligência Artificial foi pensado na morfologia da radiologia odontológica brasileira, respeitando as normas da LGPD e estando sempre em conformidade com os órgãos de vigilância sanitária.

O software permite que diversas análises cefalométricas, de modelo e até cervicais, sejam feitas com apenas um clique, localizando os pontos cefalométricos em segundos nos exames de telerradiologia. O CEO da Radio Memory, Professor Fábio Matosinhos, conta que o exame de cefalometria é muito usado para estudar a colocação de aparelhos ortodônticos nos pacientes.

“Fizemos uma revolução, porque antes o dentista fazia com régua as medidas do crânio radiografado e, em meados da década de 1990, passou a ser no computador. Depois disso, passamos a desenvolver outros programas para fazer outras medições do crânio. E então, em 2019, lançamos essas mesmas medições, mas com inteligência artificial, que encontra os pontos automaticamente. O que antes demorava cerca de 20 minutos de trabalho de marcações manuais com o mouse no computador, com a nossa inteligência artificial os pontos já são marcados e os resultados saem instantaneamente”, conta o professor.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado