Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Crianças aprendem como aliar a Educação Financeira com a empatia

Educação Financeira para crianças
Alunos do 5º ano do Ensino Fundamental do Colégio Marista Arquidiocesano participam de projeto que ensina a lidar com o dinheiro, tendo a empatia como base. (Foto: August de Richelieu/Pexels)

Muitos pais tentam ensinar seus filhos a economizar e gastar conscientemente, mas ainda existe uma grande dificuldade para iniciar esse hábito. Um agravante é que a cultura brasileira não valoriza a educação financeira infantil como um tema que deve ser amplamente debatido entre as famílias e, principalmente, nas escolas. Segundo o Banco Mundial, apenas 3,64% da população economiza pensando no futuro.

Assim, adultos sem educação financeira têm grandes chances de se endividar das mais diversas maneiras: cheque especial, cartão de crédito, boletos bancários, entre outros, principalmente durante um período de recessão econômica.

No Brasil, a educação financeira ainda está longe de alcançar um patamar considerado necessário, especialmente quando comparada com a situação em países mais desenvolvidos.

conteúdo patrocinado

De acordo com levantamento do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), o ano de 2020 começou com 61 milhões de negativados. Esses números refletem, também, a falta de hábito de poupar dos brasileiros: ainda de acordo com a entidade, apenas 28% dos brasileiros declaram ter poupado algum dinheiro nos últimos 12 meses, o 14.º pior índice do mundo. Já na pesquisa da Serasa Experian, o ano de 2021 já acumula 1,62 milhão de pessoas que deixaram de pagar suas dívidas e acabaram sendo negativadas.

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) revelou, no início de agosto, que o número de brasileiros endividados bateu recorde histórico no levantamento feito pela entidade desde 2010. No mês de julho, 71,4% do total dos consumidores carregavam alguma dívida, segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC). A sondagem é realizada mensalmente.

Neste cenário, os alunos do 5º ano do Ensino Fundamental – Anos Iniciais, do Colégio Marista Arquidiocesano, localizado em São Paulo (SP), estão produzindo o projeto “O básico e o dispensável: trabalhando a educação financeira pautada na empatia”. Nele as crianças discutem sobre como funciona um orçamento familiar, o que é uma reserva financeira para um momento de emergência e aprendem a questionar o porquê de algumas pessoas terem dificuldades de pagar as contas básicas.

O trabalho está sendo orientado pela coordenadora pedagógica Lilian Gramorelli e conduzido pela professora Dezirê Grazioli e faz parte do desenvolvimento do Projeto de Intervenção Social (PIS) da turma, uma prática pedagógica Marista que promove o diálogo e o protagonismo, permitindo entender as necessidades humanas e sociais, questioná-las e traçar caminhos para enfrentar as problematizações contemporâneas.

“As atividades são focadas em quatro pilares da educação financeira: gastar, guardar, doar e investir. Eles aprenderão o que são os cartões de débito, crédito, como funcionam os bancos, financiamentos, empréstimos e sobre o consumo consciente. Sobre doar, tratamos sobre a desigualdade de oportunidades que as pessoas têm”, explica Dezirê.

A intenção é que os jovens compreendam como a habilidade de lidar com o dinheiro contribui para o desenvolvimento da empatia e o contrário também. “As discussões fazem com que os alunos olhem para a realidade atual e entendam como a pandemia empobreceu as pessoas, muitas delas perdendo quase tudo. Dessa maneira, a empatia pode ser a base de uma educação financeira justa”, complementa a professora.

Fonte: Assessoria

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado