Pesquisar
Close this search box.
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Putin contra os orgânicos – Por Samir Nicolau

Primeira patente verde da UFPR, biofertilizante orgânico à base de microalgas é opção sustentável para a agricultura
Fotos: Atila F. Mógor/Divulgação

*Coluna por Samir Nicolau, 17/03/2022

Putin, com seu conflito, pressionou imediatamente o preço do petróleo, ainda, a longo prazo pode inflacionar preços dos alimentos, no âmbito das commodities e do mercado de valor agregado também.

A guerra entre Rússia e Ucrânia tanto evidenciou a dependência brasileira de fertilizantes russos, como refleti no texto passado, tanto evidenciou a dependência do mercado de orgânicos norte americano dos grãos ucranianos. Apelidada de “Celeiro da Europa” a Ucrânia é um importante player no cenário da segurança alimentar europeia. Com seus vastos e férteis campos agricultáveis que somam mais de um milhão e cem mil hectares, e condição climática única, a Ucrânia representa doze por cento da produção mundial de grãos oleaginosos orgânicos, grãos estes que em grande parte abastecem o mercado norte americano, servindo de nutrição para a indústria de proteína, bovina, suína e especialmente aves, onde cerca de seis por cento do frango consumido é certificado orgânico.

conteúdo patrocinado

O horizonte de desabastecimento já sinaliza aumentos de custos e preços, onde um vislumbra crise, outro, oportunidade. Das exportações de frango do Brasil, que totalizam aproximadamente quatro milhões e duzentas e cinquenta mil toneladas exportadas em 2021, em torno de duzentas e sessenta mil toneladas foram de frango orgânico, o que representa oitenta e cinco por cento da produção nacional de frango orgânico e menos de sete por cento das exportações totais.

Quanto a produção de carne bovina e suína orgânicas no nosso país ainda são números insipientes. Embora nosso país crie bovinos primariamente de forma extensiva a adoção de práticas aceitas para a produção estritamente orgânica ainda não é vastamente difundida. Já na produção de suínos nosso modelo é industrializado e esbarra na demanda de nutrição certificada, grãos orgânicos.

Nosso país embora detenha condições excelentes para a produção de grãos em diversas regiões, conseguindo inclusive produzir duas safras na mesma área em um ano, a chamada safra e safrinha, isso por meio do emprego de tecnologias e defensivos, não possui muitas regiões adequadas a produção de grãos orgânicos, e mesmo diversas áreas em que se poderia implementar a produção nas práticas orgânicas são destinadas a produção industrial por apresentar maiores índices de produtividade.

Especificamente em grãos orgânicos não são muitos os players mundiais, pois condições específicas de fertilidade de solo e climáticas são necessárias. Em nosso pais a Embrapa já possui desenvolvimento de tecnologias a serem adotadas nessa transformação e a difusão e incentivo a essas práticas são apontados como maior entrave no seu desenvolvimento. A crise norte americana pode justamente ser a grande oportunidade desse setor em nosso país, afinal quem não quer uma fatia de um mercado de duzentos e cinquenta bilhões de dólares? Esse é o tamanho do mercado de orgânicos norte americano.

**Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do ENB.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado