Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Inflação medida pelo IGP-10 aumenta 0,6% em julho

Foto: Pexels

O IGP-10, índice que mede a inflação de preços, teve alta de 0,6% em julho, divulgou nesta segunda (18) o Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

A alta é menor que a registrada em junho, quando o índice registrou 0,74%.

Ao longo de 2022, o percentual acumulado é de alta de 9,18%, e de 10,87% em doze meses. Em julho de 2021, a elevação foi de apenas 0,18% e o acumulado de doze meses chegou a 34,61%.

conteúdo patrocinado

O IGP-10 mede a evolução de preços entre o dia 11 do mês anterior e o dia 10 do mês de referência, e são compostos pela média de outros três índices: o IPA (Índice de Preços ao Produtor Amplo), o IPC (Índice de Preços ao Consumidor) e o INCC (Índice Nacional de Custo da Construção).

IPA

Ainda segundo os dados mais recentes divulgados pelo Ibre/FGV, o IPA teve alta de 0,57% em julho, mais do que os 0,47% do mês anterior. Segundo André Braz, coordenador dos Índices de preços da FGV,  conforme registro da Agência Brasil, a inflação ao produtor foi impactada pelos preços dos alimentos e dos combustíveis. O óleo diesel registrou alta de 10,91%, enquanto, entre os alimentos, o leite industrializado registrou alta de 16,3%.

IPC

O índice registrou aumento de 0,42% em julho, segundo o Ibre/FGV. O número é menor que o de junho, quando atingiu alta de 0,72%. 

Um dos motivos para a queda é que sete das oito classes que compõem o IPC caíram de junho para julho. Os Transportes saíram de 0,45% para queda de 0,41%; Educação, Leitura e Recreação de 3,15% para 1,52%; Saúde e Cuidados Pessoais de 0,84% para 0,24%; Vestuário de 1,83% para 0,80%; Comunicação de recuo de 0,25% para queda de 0,79%; Despesas Diversas de 0,66% para 0,22%; e Habitação de 0,13% para 0,07%.

INCC

Outro índice que caiu de junho para julho foi o INCC: neste mês, foi registrada alta de 1,26%, contra 3,29% do anterior. Na passagem de junho para julho, o grupo de Materiais e Equipamentos saiu de 1,66% para 0,94%; o de Serviços de 0,69% para 0,59%; e o de Mão de Obra de 5,30% para 1,67%. 

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado