Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Desigualdade de trabalho e renda no Nordeste brasileiro: FGV IBRE divulga dados regionais da Sondagem do Mercado de Trabalho

Economista Flavio Ataliba é pesquisador associado do FGV IBRE e ex-secretário executivo do Planejamento e Orçamento do Ceará.

Na última quarta-feira (15/02), o FGV IBRE divulgou dados regionais da nova Sondagem do Mercado de Trabalho, destacando a situação da região Nordeste. Durante um evento híbrido realizado em Fortaleza (CE), o coordenador do estudo, Rodolpho Tobler, ressaltou que os dados da Sondagem reforçam os sinais de maior fragilidade presentes na economia nordestina quando se trata de geração de emprego e renda.

A seguir, destacamos alguns dos principais dados levantados pela pesquisa:

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
  • A região Nordeste concentra a segunda maior população em idade para trabalhar do país, perdendo apenas para o Sudeste;
  • A taxa de ocupação na região é a menor entre as regiões brasileiras;
  • A taxa de desemprego no Nordeste foi de 12% no terceiro trimestre de 2022, contra 8,7% na média nacional;
  • A região nordestina possui a segunda maior taxa de informalidade do país, com 52,2% do total dos ocupados, quase 13 pontos percentuais acima da média nacional;
  • A proporção de desalentados na região é mais de quatro vezes maior do que a encontrada no Sudeste;
  • O rendimento médio recebido pelos trabalhadores no Nordeste é 33% abaixo da média nacional das ocupações, em qualquer categoria;
  • Entre as pessoas ocupadas em atividades sem qualquer registro, 90,2% gostariam de ter um emprego com carteira assinada;
  • Entre os trabalhadores por conta própria, uma fatia maior que a média regional afirmou que antes dessa ocupação era informal ou estava desempregada;
  • A pesquisa destaca a referência de busca por maior independência na região, acima da média nacional, só perdendo para a região Centro-Oeste.

Além disso, a Sondagem do Mercado de Trabalho do FGV IBRE também mostrou que:

  • Na região Nordeste, 49,8% dos respondentes consideram improvável perder o emprego nos próximos 12 meses, contra 58,7% na média nacional;
  • Os nordestinos têm o segundo pior resultado quando o tema é ter um colchão financeiro para suportar as adversidades, com 73,4% afirmando que, caso perdessem o emprego, poderiam sustentar a família por no máximo três meses;
  • Apesar de tantos resultados jogando contra a situação da população em idade ativa no Nordeste, a pesquisa mostrou que os trabalhadores da região registram o segundo maior índice de satisfação com o seu trabalho (77,5%), perdendo apenas para a região Sul.

O economista Flavio Ataliba (foto), que atualmente é pesquisador associado do FGV IBRE e ex-secretário executivo do Planejamento e Orçamento do Ceará, participou do evento e ressaltou a importância de se aprimorar a compreensão da dinâmica regional do trabalho e da renda. Ele afirmou que os reflexos da economia nacional variam de acordo com as peculiaridades e estruturas produtivas de cada região do país. Para Ataliba, os estudos divulgados “reabrem a discussão sobre essas questões regionais brasileiras” e trouxe à memória o debate ocorrido em 1950, época em que a Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) e o Banco do Brasil foram criados. O pesquisador enfatizou a importância de analisar o desequilíbrio de renda interpessoal e espacial como pontos cruciais para entender a realidade das regiões do país.

O ex-secretário destacou alguns pontos importantes sobre o desenvolvimento econômico do Nordeste, como:

  • A região representa apenas 14% do PIB, apesar de concentrar 27% da população brasileira.
  • As possibilidades de desenvolvimento econômico do Nordeste são grandes, principalmente em áreas como as energias renováveis.
  • É fundamental estimular o empreendedorismo na região, a fim de evitar que o crescimento do trabalho por conta própria seja apenas de empreendedores por necessidade.
  • Embora o trabalho com carteira assinada seja importante, empreender e prosperar um negócio também é relevante para dinamizar a economia.

Ataliba enfatizou a importância de olhar para o Nordeste como um todo, identificar suas potencialidades e entender suas particularidades para promover um desenvolvimento econômico mais equilibrado e justo para toda a população.

Além disso, a pesquisa também apresentou os seguintes percentuais em relação aos itens considerados de maior risco para os entrevistados e suas famílias nos próximos 3 anos:

  • Saúde: 52,6%
  • Desemprego: 46,4%
  • Inflação: 38,2%
  • Endividamento: 34,3%
  • Mudanças nas leis trabalhistas: 27,8%
  • Crise política: 20,4%
conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado