Desenrola: 10 milhões têm dívidas de até R$ 100 anistiadas

Foto: Divulgação

O Ministério da Fazenda anunciou que 10 milhões de brasileiros com dívidas de até R$ 100 viram seus nomes limpos graças ao programa Desenrola Brasil. Esta iniciativa de renegociação de dívidas, lançada pelo governo, está trazendo alívio financeiro para milhões de pessoas em situação de inadimplência.

Atualmente, está em vigor a etapa destinada à faixa 2, composta por pessoas com renda mensal entre R$ 2.640 (dois salários mínimos) e R$ 20 mil. Não há limites para o valor da dívida nessa categoria. Desde o seu lançamento, em meados de julho, as negociações de condições especiais de pagamento estão ocorrendo diretamente entre os clientes e as instituições financeiras.

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) reportou que, nos últimos sete semanas, foram renegociados cerca de R$ 11,7 bilhões em dívidas na faixa 2 do programa. Isso representa um total de 1,6 milhão de contratos negociados, beneficiando 1,25 milhão de clientes bancários.

É importante salientar que, para os 10 milhões de brasileiros que tiveram suas dívidas de até R$ 100 anistiadas, a participação no Desenrola Brasil é uma contrapartida essencial. Contudo, se o devedor possuir outras pendências financeiras, seu nome permanecerá negativado nos sistemas de proteção ao crédito.

O Desenrola Brasil está se preparando para iniciar a fase destinada à faixa 1 no final de setembro. Por meio de uma plataforma, será possível renegociar dívidas de até R$ 5.000 para indivíduos que ganham até dois salários mínimos (R$ 2.640) ou que estejam inscritos no Cadastro Único do governo federal.

Para dar início a esta próxima fase, os credores – sejam bancos, varejistas, empresas de água e saneamento, ou distribuidoras de eletricidade – têm até a próxima terça-feira (12) para se cadastrar na plataforma e atualizar os valores devidos pelos clientes.

O governo promoverá um leilão de maior desconto, determinando as dívidas que serão cobertas pelo Fundo de Garantia de Operações (FGO), que reserva R$ 8 bilhões para garantir as operações de crédito. Os credores que oferecerem os maiores descontos serão os vencedores do leilão, possibilitando o parcelamento do valor devido em até 60 meses, com juros de, no máximo, 1,99% ao mês. Serão aceitas dívidas negativadas de 2019 até 31 de dezembro de 2022.

Receba as últimas notícias do Economic News Brasil no seu WhatsApp e esteja sempre atualizado! Basta acessar o nosso canal: CLIQUE AQUI!

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado