Pesquisar
Close this search box.
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Por que a Vitru Educação trocou a Nasdaq pela B3?

Companhia estreia na bolsa brasileira com o código VTRU3

Vitru Educação migra da Nasdaq para a B3. (Foto: Reprodução/Vitru)
Vitru Educação migra da Nasdaq para a B3. (Foto: Reprodução/Vitru)

Na última segunda-feira (10), as ações da Vitru Educação começaram a ser negociadas na B3 (B3SA3), marcando um movimento inédito no mercado de capitais brasileiro. Até a semana passada, a edutech estava listada na bolsa de tecnologia norte-americana Nasdaq. A migração para a bolsa brasileira se dá sob o código VTRU3, após quatro anos de operações nos Estados Unidos.

Histórico na Nasdaq e contexto da migração

A Vitru Educação, que controla os grupos de ensino à distância Uniasselvi e UniCesumar, estreou na Nasdaq em setembro de 2020, levantando US$ 96 milhões em seu IPO. Durante seu último pregão nos Estados Unidos, na sexta-feira, 7 de maio, as ações da Vitru fecharam em US$ 9,07, uma valorização de 2,5% em relação ao dia anterior. No entanto, no acumulado do ano, as ações registraram uma queda de 42,45% e, desde sua listagem inicial a US$ 16, houve uma desvalorização total de 43,3%.

João Albanese, sócio-fundador da Unio Partners, comenta que a migração da Vitru para a B3 não é surpreendente e pode fazer sentido. Muitas empresas brasileiras, atraídas pelo “status social” e a possibilidade de acessar investidores maduros nos Estados Unidos, abrem capital na Nasdaq. No entanto, enfrentam desafios de liquidez e acesso limitado a investidores institucionais e pessoas físicas, o que pode motivar um retorno ao mercado brasileiro.

conteúdo patrocinado

Desempenho e perspectivas na B3

Na B3, a Vitru dividirá espaço com outras companhias do setor de educação. Dentre eles, está a Ânima (ANIM3), Cogna (COGN3), Cruzeiro do Sul (CSED3), Ser Educacional (SEER3) e Yduqs (YDUQ3). A Vitru reportou um lucro de R$ 8,1 milhões no primeiro trimestre deste ano. Trata-se de uma redução de 86% em relação ao mesmo período do ano passado. Suas receitas, no entanto, cresceram 13,5%, totalizando R$ 504,3 milhões. A dívida da empresa ao final de março era de R$ 2,2 bilhões.

Leia também:

Estratégias de crescimento e mercado brasileiro

Com 939 mil alunos matriculados, sendo 97,6% na modalidade de ensino à distância, a Vitru Educação continua a expandir sua presença no Brasil. A captação total de alunos cresceu 9,5% no ano, com um aumento de 16,2% no tíquete médio. A migração para a B3 pode aumentar a liquidez das ações da empresa e atrair mais investidores, incluindo fundos de investimento brasileiros.

Leonardo Resende, superintendente de relacionamento com empresas da B3, ressalta que o movimento da Vitru evidencia a capacidade do mercado de capitais brasileiro de financiar empresas nacionais. A mudança pode facilitar a comunicação com investidores locais e aumentar a sinergia com o mercado brasileiro, potencializando as oportunidades de crescimento da empresa.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado