Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Assinado contrato de venda das ações da Codesa, primeira desestatização portuária do país

De acordo com o relatório Perspectiva Econômica Global divulgado nesta terça-feira (6), o FMI calcula crescimento do Produto Interno Bruto brasileiro de 3,7% este ano, 0,1 ponto percentual a mais do que o previsto na estimativa de janeiro.

A desestatização da primeira autoridade portuária do Brasil foi concretizada com a assinatura do contrato de compra e venda das ações da Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa). Leiloada em março deste ano, a Codesa – responsável pela administração dos portos de Vitória e de Barra do Riacho (ES) – foi arrematada pelo fundo de investimentos FIP Shelf 119 Multiestratégia. O projeto – qualificado no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) por meio do Decreto nº 9.852/2019 – é o primeiro de desestatização de portos públicos no Brasil.

A promoção de projetos de desestatização de portos pelo PPI visa modernizar a gestão portuária brasileira, ampliando o volume de investimentos e reduzindo gargalos operacionais.

Pelo contrato assinado, a previsão de investimentos chega a R$ 850 milhões, sendo R$ 335 milhões na ampliação dos dois portos. A União receberá repasses fixos anuais no valor de R$ 24,75 milhões e contribuições variáveis anuais equivalentes a 7,5% da receita. Os custos também envolvem uma taxa anual de fiscalização à Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) de R$ 3,188 milhões.

conteúdo patrocinado

Com a desestatização, a Codesa ganhará agilidade administrativa e maior capacidade de investimento, refletindo em melhorias nos portos organizados de Vitória e Barra do Riacho, além de geração de renda para toda a região.

Após a concretização da mudança societária, o próximo passo é a assinatura do contrato de concessão dos dois portos que estão sob administração da Codesa. Isso deve ocorrer na próxima semana entre o Ministério da Infraestrutura e a empresa vencedora do certame.

O leilão da companhia capixaba é considerado um piloto para os leilões de outros ativos que estão programados para ainda este ano, como os portos de Itajaí, São Sebastião e Santos, o maior da América Latina. A modelagem desenvolvida para a desestatização estimula a concessionária a desenvolver mais projetos, desenvolver mais os terminais, aumentar a capacidade portuária para atrair mais cargas e gerar ainda mais resultados.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado