Publicidade
Publicidade
X
Publicidade
X

Governos locais na China enfrentam riscos de endividamento e pressão para pagamento da dívida

Imagem: Freepik

A agência de notícias estatal Xinhua informou na segunda-feira (5) que, embora a situação fiscal da China como um todo seja sólida e segura, alguns governos locais estão enfrentando altos riscos de endividamento e pressão considerável para o pagamento de suas dívidas.

Esses comentários surgem em um momento em que investidores e economistas estão cada vez mais preocupados com os riscos da dívida municipal, após os problemas de pagamento dos veículos de financiamento do governo local (LGFVs) em províncias como Guizhou e Yunnan. Os LGFVs são empresas de investimento que levantam fundos e executam projetos de infraestrutura em nome dos governos locais.

A Xinhua cita uma autoridade não identificada do Ministério das Finanças, que afirma: “Atualmente, a dívida do governo local está distribuída de forma desigual, com alguns governos locais enfrentando riscos relativamente altos e grande pressão para o pagamento da dívida”. O relatório acrescenta que é solicitado aos governos locais relevantes que assumam a responsabilidade e mantenham o foco na prevenção de riscos sistêmicos. Além disso, destaca-se que a China tem espaço suficiente para lidar com riscos e desafios.

Publicidade

Segundo o Rhodium Group, uma empresa de pesquisa econômica e política monetária dos Estados Unidos, pelo menos 102 cidades chinesas tiveram dificuldades para administrar os custos de serviço da dívida no ano passado, limitando a capacidade do país de utilizar estímulos fiscais para a recuperação econômica pós-pandemia. A Rhodium também apontou que as cargas de juros das cidades de Lanzhou, no noroeste, e Guilin, no sudoeste, ultrapassaram a capacidade fiscal no ano passado.

A Xinhua cita Jin Hannan, chefe do departamento financeiro no condado de Tongshan, Xianning, na província de Hubei, dizendo: “Nossas receitas fiscais ainda não se recuperaram aos níveis de 2019, mas as despesas aumentam a cada ano. Devemos continuar apertando os cintos”.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado