Publicidade
Publicidade
X
Publicidade
X

Os Gestores de Fundos Hedge mais ricos de 2023, revelados na lista da Forbes

Imagem: Freepik

Em um ambiente de mercados voláteis, impulsionados pela guerra no leste da Europa, aumento da inflação e elevação das taxas de juros nos Estados Unidos e na Zona do Euro, os gestores de fundos hedge têm enfrentado desafios significativos. Apesar disso, os 10 bilionários de fundos de hedge mais ricos do mundo viram seus patrimônios líquidos aumentarem em US$ 4 bilhões em relação ao ano passado, de acordo com a lista de Bilionários da Forbes em 2023.

Ken Griffin lidera a lista, com um patrimônio líquido estimado em US$ 35 bilhões, um salto de US$ 7,8 bilhões em comparação com o ano anterior. Seu fundo Wellington, pertencente à Citadel, obteve um retorno de 38% em 2022, enquanto o S&P 500 registrou uma queda de quase 20%. O crescimento dos ativos da empresa foi tão expressivo que ela distribuiu US$ 7 bilhões em lucros aos investidores no início deste ano.

Jim Simons, fundador da Renaissance Technologies, uma empresa de negociação quantitativa, ocupa o segundo lugar na lista, com um patrimônio líquido estimado em US$ 28,1 bilhões. Em seguida, temos Ray Dalio, fundador aposentado da Bridgewater Associates, o maior hedge fund do mundo, com um patrimônio líquido de US$ 19,1 bilhões.

Publicidade

David Tepper, responsável pela Appaloosa Management, registrou retornos anualizados de 25% em seus primeiros 25 anos de operação. Nos últimos anos, ele gradualmente devolveu dinheiro aos clientes e agora opera a Appaloosa como um family office, com ativos no valor de US$ 14 bilhões.

Steve Cohen, fundador do Point72 Asset Management, um hedge fund com US$ 27 bilhões em ativos sob gestão, também está na lista dos mais ricos. Cohen ganhou destaque ao adquirir o time de beisebol New York Mets por US$ 2,4 bilhões em 2020, demonstrando sua paixão por investimentos fora do mundo financeiro.

Carl Icahn, por sua vez, obteve um lucro de aproximadamente US$ 250 milhões com a compra de ações do Twitter após o acordo de fusão assinado por Elon Musk para adquirir a empresa.

Michael Platt, cofundador e CEO da BlueCrest Capital Management, teve um desempenho notável nos últimos anos. Sua empresa gerou retornos anuais de pelo menos 25%, com um impressionante retorno líquido de 95% em 2020 e 153% em 2022.

Israel Englander, fundador da Millennium Management, iniciou sua jornada com um modesto investimento de US$ 35 milhões de amigos e familiares em 1989. Atualmente, sua empresa de fundos hedge gere um montante substancial de US$ 58 bilhões. O principal fundo multiestratégia registrou um retorno de 12,4% em 2022, gerando ganhos líquidos de US$ 8 bilhões para os investidores.

Chase Coleman, fundador da Tiger Global, teve um histórico de sucesso nos primeiros 20 anos, com um retorno líquido anualizado de 21% em seu fundo de hedge até 2021. No entanto, em 2022, enfrentou uma perda brutal de 56%. A maioria dos ativos da Tiger Global agora está em seus fundos de capital de risco.

David Shaw, fundador do D.E. Shaw, um fundo de hedge quantitativo, é conhecido por sua abordagem inovadora, utilizando modelagem matemática sofisticada e algoritmos. Atualmente, seu fundo gerencia mais de US$ 60 bilhões em ativos, consolidando sua posição como um dos principais gestores de fundos hedge do mundo.

Embora os mercados tenham sido turbulentos, esses gestores de fundos hedge demonstram habilidade em maximizar retornos e lidar com os desafios econômicos globais. Seus patrimônios líquidos em crescimento são testemunho de sua capacidade de adaptação e tomada de decisões estratégicas em ambientes adversos.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado