Pesquisar
Close this search box.
Publicidade
Publicidade
X
Publicidade
X

Taxas de juros caem com sinais de desaceleração global

Imagem: Freepik

No pregão desta sexta-feira (09/06), as taxas de DI abriram em baixa, ignorando a recuperação nos juros dos Treasuries e reagindo aos sinais de desaceleração da economia global recebidos da quinta-feira, como o aumento nos pedidos de seguro-desemprego dos Estados Unidos, a contração no PIB da zona do euro e a inflação abaixo da esperada na China, todos eles fatores que sugerem manutenção ou queda das taxas de juros à frente.

A taxa para janeiro de 2024 caía a 13,070%, de 13,092% no ajuste de quarta-feira, enquanto a taxa para janeiro de 2025 recuava a 11,175%, de 11,256%. Em prazos mais distantes, as quedas eram mais acentuadas. A taxa para janeiro de 2026 caía a 10,54%, de 10,63%, enquanto a taxa para janeiro de 2027 recuava a 10,560%, de 10,641%.

A Bolsa brasileira permaneceu fechada nesta quinta-feira em função do feriado de Corpus Christi, e agora os investidores reagem tardiamente aos dados vindos do exterior que reforçam a tese de que o crescimento global está perdendo fôlego, o pode servir de obstáculo ao aumento dos juros, que age como um freio na atividade econômica.

Publicidade

As bolsas dos Estados Unidos tiveram um dia positivo justamente porque o indicador sobre auxílio-desemprego reforçou a tese de que há cada vez menos motivos para o Federal Reserve, o banco central americano, aumentar a taxa de juros por lá na próxima quarta-feira (14/06).

Além disso, a China, país relevante para a economia brasileira, divulgou que a inflação ao consumidor do país veio aquém do esperado em maio, e que houve queda no índice de preços ao produtor para o menor nível desde o primeiro trimestre de 2016, ambos sinais de desaceleração econômica, segundo o Rabobank.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado