Pesquisar
Close this search box.
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Tesouro Direto: Taxas caem atreladas ao indicadores Globais

Dívida Pública
Foto: HL Investimento/Divulgação

Investidores do Tesouro Direto observaram uma queda nas taxas nessa quarta-feira (30). À medida que os indicadores econômicos dos Estados Unidos foram revelados, com o crescimento do PIB americano, que registrou um aumento de 2,1%, observou-se uma movimentação na economia brasileira.

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) apresentou uma deflação de 0,14% em agosto, continuando uma sequência de quedas. Com essa marca, o acumulado no ano chega a um recuo de 5,28%, enquanto a queda em 12 meses é de 7,20%. Essa deflação, embora em desaceleração, foi um ponto de destaque após os resultados negativos nos meses anteriores.

Além disso, o Índice de Preços ao Produtor (IPP) medido pelo IBGE teve seu sexto mês consecutivo de queda em julho, atingindo uma redução de 0,82% em relação a junho. O indicador acumula uma notável queda de 14,07% em 12 meses, marcando a menor marca da série histórica.

conteúdo patrocinado

No Tesouro Direto, as taxas dos títulos mostraram um movimento unidirecional de queda. Os juros dos títulos prefixados com vencimentos em 2026 e 2029 recuaram para 10,04% e 10,67%, respectivamente, apresentando uma diminuição em relação às sessões anteriores.

Nos títulos vinculados à inflação, as quedas mais pronunciadas foram observadas nos papéis de longo prazo. O retorno real do Tesouro IPCA+ 2045 caiu para 5,57%, enquanto o Tesouro IPCA+ 2055 registrou uma taxa de 5,47%.

 

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado