Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Ibovespa cai 3,78% e tem maior queda desde março com crise política

Para investidores e analistas, a crise institucional, que já vinha fazendo preço na bolsa, aumenta as incertezas e pode inviabilizar a aprovação de reformas econômicas até a próxima eleição. 
Para investidores e analistas, a crise institucional, que já vinha fazendo preço na bolsa, aumenta as incertezas e pode inviabilizar a aprovação de reformas econômicas até a próxima eleição. 

Ibovespa despencou 3,78%, para 113.412,8 pontos, nesta quarta-feira, 8, com a reação de investidores às declarações de ataque do presidente Jair Bolsonaro ao STF em atos realizados em 7 de setembro e às suas repercussões em Brasília. Foi a maior queda desde 8 de março, quando o principal índice da B3 caiu 3,98%.

Na véspera, Bolsonaro renovou seus ataques ao Supremo Tribunal Federal (STF) e afirmou que não irá cumprir decisões do ministro Alexandre de Moraes, responsável pelo inquérito das fake news.

Para investidores e analistas, a crise institucional, que já vinha fazendo preço na bolsa, aumenta as incertezas e pode inviabilizar a aprovação de reformas econômicas até a próxima eleição.

conteúdo patrocinado

No câmbio, o dólar disparou 2,84% e fechou sendo negociado a 5,324 reais. A performance do real foi a pior entre as principais moedas emergentes, que caíram em meio ao clima externo levemente negativo.

Nos Estados Unidos, o S&P 500 caiu 0,10%, o Nasdaq 0,57%, e o Dow Jones, 0,20%. A queda ocorreu em meio a preocupações com a capacidade de valorização das bolsas dos Estados Unidos, motivada pela desaceleração do crescimento em meio a uma esperada redução dos estímulos monetários do Federal Reserve (Fed, banco central americano), efeitos de uma nova onda da pandemia com a variante Delta e um cenário de inflação em alta.

Na Europa, o Stoxx 600 fechou em queda de 1,06%, na véspera da decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), nesta quinta-feira, 9. No radar estão discussões sobre o início da retirada de estímulos, o chamado tapering. A expectativa é que o BCE anuncie o tapering até o fim do ano, assim como os Estados Unidos.

Entre os principais componentes do Ibovespa, as ações dos grandes bancos e da Petrobras (PETR3/PETR4) tiveram as maiores contribuições para a queda do índice.

Com a segundo maior peso do Ibovespa, as ações PETR3 e PETR4 tiveram respectivamente perdas de 5,55% e 5,63%, com riscos de ingerência do governo na estatal em meio às manifestações de caminhoneiros — uma das bases de apoio de Bolsonaro. A desvalorização ocorreu na contramão do barril do petróleo, que subiu no mercado internacional.

Do mesmo setor, a PetroRio (PRIO3) caiu menos, 1,46%. Entre os bancos, o Bradesco (BBDC3 e BBDC4) puxou a queda, recuando 6,35% e 5,76%. Itaú (ITUB4) caiu 4,71%, Santander (SANB11), 4,95%, e Banco do Brasil (BBAS3), 4,22%.

Já a maior queda do índice ficou com as ações da Méliuz, que caíram 11,35%.  Na sequência, Via (VIIA3), Eletrobras (ELET6) e Americanas (AMER3) despencaram 9,35%, 9,29% e 9,15%, respectivamente.

Apesar das fortes perdas, houve espaço para valorização, com os papéis da Localiza (RENT3) subindo 8,03%, e os da Unidas (LCAM3), 7,23%, com a divulgação na segunda-feira do parecer da Superintendência-geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que recomendou a aprovação da fusão das empresas.

Fonte: Exame

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado