Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Como adotar a ESG no setor de limpeza profissional

O setor de Asseio e Conservação é o segundo setor que mais emprega no Brasil. Somente a indústria da limpeza gera cerca de 800 milhões de empregos e impacta a agenda ESG movimentando a economia por meio de processos, tecnologias e, principalmente pessoas.

Na agenda global e no planejamento estratégico das organizações para o cumprimento das metas ESG – acrônimo em inglês para as boas práticas corporativas em três pilares ambiental, social e governança (ASG) – os profissionais de limpeza – indispensáveis na cadeia produtiva – muitas vezes não são valorizados.

Cientes de que as empresas do setor de limpeza devem estar preparadas para as novas demandas que competem os aspectos da ESG, a Fundação de Asseio e Conservação do Paraná – FACOP, maior escola de capacitação e referência mundial no setor, criou o programa ASG no A.S.G – Gestão para Sustentabilidade Corporativa, em que traz para o setor o olhar estratégico voltado para sustentabilidade empresarial. A sigla A.S.G refere-se ao profissional Auxiliar de Serviços Gerais.

conteúdo patrocinado

O programa, que foi destaque no maior evento de produtos e serviços para higiene, limpeza e conservação ambiental da América Latina – a Higiexpo 2022, realizado recentemente em São Paulo, não restringe o setor ao aspecto social da ESG, mas abrange também os pilares ambiental e de governança.

Cássia Almeida, superintendente executiva da Fundação, explica que as pessoas são determinantes nos 3 pilares e não apenas no Social. “A base operacional, muitas vezes tão desconsiderada, tem uma importância que necessita urgentemente ser reconhecida. Afinal, muitas vezes é a atuação destes profissionais que define diretamente quem é a empresa. É uma cadeia de valor: da pessoa, da empresa que a emprega e, no caso de terceirização, da empresa cliente”.

No pilar ambiental, a executiva destaca exemplos como economia de água e energia; uso consciente de produtos; utilização de produtos biodegradáveis e renovação constante de processos, entre outros. Já o social vai além do cumprimento das convenções trabalhistas. “A base do Social é o respeito que se inicia no reconhecimento do profissional enquanto ser humano”, afirma. A governança envolve a cultura da empresa. “É importante que a sustentabilidade, que os pilares ESG sejam uma responsabilidade de todos, e não apenas da “gerência de sustentabilidade”.

Confira como implementar a estratégia ESG no setor de limpeza profissional da sua empresa, segundo o programa ASG no A.S.G:

1 – Gestão dos Fatores ESG:

Avaliar o escopo e materialidade – auxilia a liderança a decidir onde ficar esforços, investimentos e melhorias;

Diagnosticar o nível de maturidade – um diagnóstico fidedigno nos aspectos ambiental, social e de governança se fazem essenciais para entender as fragilidades e os pontos fortes da empresa;

Utilizar Indicadores para mensuração do que já existe e o que precisa ser realizado.

2 – Gerenciamento de Resíduos Sólidos – PGRS

Realizar diagnóstico e obter um parecer técnico integrado com avaliação preventiva e corretiva na gestão de resíduos sólidos com foco na economia circular, logística reversa e desenvolvimento sustentável, alinhados as normativas de gerenciamento de resíduos.

3 – Avaliação de Impacto

Tem como objetivo ajudar as empresas a medir e gerir seus impactos positivos em relação aos colaboradores, à comunidade, consumidores e ao meio ambiente.

4 – Alinhamento aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Internalizar os ODS com acompanhamento nas fases de mapeamento; seleção de indicadores, prioridades e nível de ambição; integração dos objetivos e preparação para relato e comunicação.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado