STF considera inconstitucional multa adicional aplicada pela Receita Federal em casos de indeferimento de compensação tributária

(Foto: Dorivan Marinho/SCO/STF)

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por maioria, que é inconstitucional a cobrança de multa adicional de 50% que a Receita Federal aplica em casos de indeferimento de pedidos de compensação de tributos. A medida, que resulta em uma dupla punição para o contribuinte, é contestada por advogados tributaristas por ferir o direito de petição.

O governo estima que a decisão cause um impacto de R$ 3,7 bilhões para os cofres públicos. Além da multa de 50%, o Fisco também cobra uma multa de mora de 20% e corrige o valor do débito pela taxa básica de juros.

O caso começou a ser julgado em plenário virtual em 2020 e foi paralisado por pedidos de vista. Os ministros Edson Fachin, Gilmar Mendes, Cármen Lúcia, André Mendonça, Dias Toffoli, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e Celso de Mello votaram pela inconstitucionalidade da multa. Alexandre de Moraes fez ressalvas pontuai.

Fachin propôs que seja fixada a tese de que “é inconstitucional a multa isolada prevista em lei para incidir diante da mera negativa de homologação de compensação tributária por não consistir em ato ilícito com aptidão para propiciar automática penalidade pecuniária”. A decisão tem repercussão geral, ou seja, será aplicada em outras ações que tratam do mesmo tema.

A ação em análise é um recurso da União contra decisão favorável ao contribuinte, uma empresa de transportes, no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (RS/SC/PR). O sistema do Fisco indefere automaticamente pedidos de compensação que não sejam compatíveis com outras informações prestadas pelos contribuintes, sem que haja uma análise individualizada.

Receba as últimas notícias do Economic News Brasil no seu WhatsApp e esteja sempre atualizado! Basta acessar o nosso canal: CLIQUE AQUI!

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado