Pesquisar
Close this search box.
Publicidade
Publicidade
X
Publicidade
X

CVM e ABCripto firmam acordo de cooperação para educação e inovação financeiras

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e a Associação Brasileira de Criptoeconomia (ABCripto) firmaram um acordo de cooperação técnica para o desenvolvimento de ações de educação financeira, com campanhas e materiais educacionais sobre as novas tecnologias financeiras, em especial as finanças descentralizadas (DeFi) e outras aplicações relativas à criptoeconomia, blockchain e investimentos em ativos digitais.

“Essa parceria fortalecerá a capacitação de professores, promovendo o entendimento sobre a economia digital e proporcionará oportunidades de aprendizado para jovens em situação de vulnerabilidade”, explica Nathalie Vidual, superintendente de proteção e orientação aos investidores da CVM, em nota.

O acordo incluirá a colaboração com laboratórios e plataformas de inovação instituídos ou apoiados pelas instituições, bem como com o ambiente regulatório experimental da CVM (sandbox), além de estudos, pesquisas, ações educacionais e outras iniciativas de apoio técnico.

Publicidade

O trabalho em conjunto entre o regulador e a associação também viabilizará a colaboração entre as entidades para oferecer conhecimento e estrutura para o desenvolvimento e a inserção da tecnologia no mercado de capitais, incluindo iniciativas relacionadas a pesquisas e estudos, bem como campanhas de conscientização de consumidores contra fraudes.

E por fim, além das iniciativas educacionais, prevê cooperação estratégica com o comitê do sandbox (ambiente controlado) da CVM para o desenvolvimento de ações de apoio técnico a corretoras de ativos digitais, afetadas por recente orientação do regulador a respeito dos tokens de renda fixa, que passaram a ser considerados valores mobiliários.

“A ideia é auxiliar no entendimento dos requisitos normativos da CVM, como, por exemplo, as normas de crowdfunding, ofertas e mercados organizados, que podem ser aplicáveis às exchanges emissoras de tokens de renda fixa”, explica Bruno Gomes, Superintendente de Supervisão de Securitização (SSE) da CVM.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado