Pesquisar
Close this search box.

Investimentos em startups brasileiras têm crescimento em maio, mas ainda abaixo de 2022

Os trabalhadores com idade entre 18 e 24 anos foram os mais prejudicados pela pandemia de covid-19. A taxa de desocupação subiu de 23,8% no quarto trimestre de 2019 para 29,8% no mesmo período de 2020, o que corresponde a quase 4,1 milhões de jovens à procura de emprego.

Um relatório da empresa de tecnologia Distrito revelou que os investimentos em startups aumentaram 22,5% em maio em comparação com abril. No entanto, os R$ 550 milhões arrecadados por empresas de tecnologia no Brasil representam apenas um quarto do valor captado no mesmo mês do ano anterior.

O destaque ficou por conta da startup de software Digibee, que levantou R$ 300 milhões em uma rodada da série B na última semana do mês. A transação foi liderada pelo Goldman Sachs Asset Management, com a participação da Leadwind, vertente de crescimento da gestora europeia K Fund, em seu primeiro investimento na América Latina, e o Vivo Ventures, fundo CVC da operadora.

Outra empresa em destaque foi a startup de experiência do consumidor Track.co, que captou R$ 33 milhões em uma rodada liderada pela TM3 Capital e Green Rock. A retailtech Mob2Con também conseguiu R$ 5 milhões do fundo Hindiana, que já tem Rappi e Petlove em seu portfólio.

Nos últimos dois meses anteriores, não houve registro de grandes investimentos em startups já em estágio avançado. As rodadas de investimento anjo, pré-seed e seed representaram 93,5% do total de maio, enquanto apenas uma transação de estágio inicial e outra de estágio avançado ocorreram.

Apesar dos valores menores, o período foi positivo para fusões e aquisições, já que empresas reconhecidas no mercado fizeram compras significativas. A FTD Educação adquiriu a edtech Pontue, o BTG Pactual (BPAC11) comprou a greentech Systemica e a Nexcom adquiriu a deeptech Charisma BI.

O número total de fusões e aquisições entre janeiro e maio deste ano já alcançou 54, metade do total registrado em todo o ano passado. Os setores mais procurados pelas empresas foram hardware, mobilidade, cibersegurança, recursos humanos e educação.

Receba as últimas notícias do Economic News Brasil no seu WhatsApp e esteja sempre atualizado! Basta acessar o nosso canal: CLIQUE AQUI!

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado