Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Polishop obtém proteção judicial contra ordens de despejo

Shoppings processam Polishop por recuperação judicial antecipada
(Foto: Divulgação/Polishop).

A Polishop, conhecida varejista brasileira, conseguiu uma vitória legal importante nesta sexta-feira (5). O juiz Paulo Furtado de Oliveira Filho, da 2ª Vara de Falências e Recuperação Judicial do TJ-SP, concedeu uma tutela antecipada. Esta decisão confere proteção judicial da Polishop contra ordens de despejo de suas lojas, bloqueios de ativos financeiros e da suspensão de seu site nas plataformas de vendas e marketing.

O pedido da empresa veio à tona diante de dificuldades para compilar documentos necessários para uma recuperação judicial. O juiz Oliveira Filho julgou o pedido como plausível e, com a tutela antecipada, antecipou os efeitos de uma recuperação judicial para a Polishop. Isso ocorre num contexto onde a empresa enfrenta dívidas aproximadas de R$ 400 milhões, incluindo atrasos em aluguéis de lojas situadas em shopping centers e obrigações trabalhistas.

Desde o início da pandemia de covid-19, a Polishop reduziu em grande escala o número de suas lojas físicas. De 278 unidades em 2020, o número caiu para 161 no início de 2023. Esta retração espelha os desafios enfrentados pela empresa no mercado varejista.

conteúdo patrocinado

O magistrado também estipulou que a sua decisão seja comunicada a 50 empresas com relações comerciais com a Polishop. Para garantir o cumprimento, uma multa diária de R$ 10 mil foi fixada. Além disso, a Cabezón Administração Judicial foi designada como administradora judicial temporária, incumbida de monitorar as operações da empresa.

A medida tomada pelo TJ-SP veio em resposta a uma ação cautelar preparatória iniciada pela Polishop, visando uma futura solicitação de recuperação judicial. Com a liminar concedida, a empresa agora está resguardada de execuções judiciais por parte de credores, incluindo proteções contra despejos e penhoras.

A decisão inclui ainda a ordem para que serviços de marketing e tecnologia, previamente suspensos por inadimplência, sejam reativados em até 24 horas. Credores financeiros estão impedidos de exigir o pagamento antecipado de dívidas baseado em descumprimento de obrigações contratuais.

A reestruturação da Polishop, iniciada no ano anterior, levou ao fechamento de mais da metade de suas lojas físicas. A empresa, que ampliou sua presença no mercado por meio de vendas televisivas, tem buscado melhorar sua rentabilidade através da introdução de produtos de marca própria.

Diversas empresas de tecnologia e serviços, incluindo Google, Meta, Claro, Oi, UOL, Microsoft, entre outras, foram notificadas sobre a decisão judicial. A medida reflete os esforços da Polishop para navegar por um período financeiramente turbulento, buscando uma solução que permita a continuidade de suas operações comerciais.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado