Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

O cruzeiro de luxo que faz fortuna mirando em ricos sem filhos

cruzeiro de luxo
(Foto: Divulgação/Viking).

A Viking Holdings, fundada pelo empresário Torstein Hagen, tornou-se uma das maiores operadoras de cruzeiros de luxo do mundo, com um foco nítido em um nicho de mercado específico: clientes ricos, intelectualmente curiosos e sem filhos. Esse nicho impulsionou a Viking a atingir um status de prestígio no setor, e a oferta pública inicial (IPO) planejada pela empresa poderá valorizar a fortuna de Hagen para além de US$ 5 bilhões.

A IPO visa levantar até US$ 1,3 bilhão através da venda de ações, sinalizando a confiança da Viking na recuperação do setor de turismo após a pandemia de Covid-19. Esse movimento também consolidará a posição da Viking no setor de cruzeiros de luxo.

Como tudo começou

A Viking começou com foco em cruzeiros fluviais, evoluindo ao longo do tempo para cruzeiros marítimos e expedições especiais para destinos como a Antártida e os Grandes Lagos dos Estados Unidos. Atualmente, a Viking opera 92 navios, empregando mais de 10 mil pessoas.

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
cruzeiro viking
(Foto: Divulgação/Viking).

Seu público-alvo consiste de falantes ricos de inglês, com 55 anos ou mais, que têm tempo e dinheiro para explorar o mundo. De acordo com o cadastro da Viking, 90% de seus clientes em 2023 vieram da América do Norte, uma região onde a faixa etária acima de 55 anos detém cerca de três quartos da riqueza familiar, segundo a Reserva Federal dos EUA.

Investimentos e expansão

Nos últimos anos, a Viking Holdings atraiu investimentos do Canada Pension Plan Investment Board e da TPG Inc., ambos mantendo 16,5% das ações após a listagem. Hagen, no entanto, não venderá ações, e sua filha, Karine Hagen, que é vice-presidente executiva da Viking, deterá uma participação de menos de 1%.

viking cruzeiro
(Foto: Divulgação/Viking).

Os recursos do IPO serão utilizados para fortalecer a capitalização e a flexibilidade financeira da empresa, especialmente devido ao seu endividamento de US$ 5,4 bilhões ao final de 2023.

Em uma carta aos acionistas, Hagen destacou o potencial de expansão da Viking, particularmente na China e em outros mercados asiáticos. A Viking já lançou a oferta “China Outbound”, oferecendo cruzeiros na Europa com tripulações completas de falantes de mandarim. Além disso, a empresa está explorando novos mercados, incluindo safaris e passeios terrestres.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado