Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Microsoft e Brookfield firmam acordo bilionário de energia

Acordo de energia renovável da Microsoft e Brookfield. (Foto: Tyler Lahti/Wikimedia Commons)
Acordo de energia renovável da Microsoft e Brookfield. (Foto: Tyler Lahti/Wikimedia Commons)

A Microsoft, em parceria com a canadense Brookfield Asset Management, anunciou na última terça-feira (30) um dos maiores acordos corporativos para a compra de energia renovável, destacando um compromisso significativo com a sustentabilidade e as tecnologias limpas.

A Brookfield Asset Management Ltd. é uma das principais gestoras globais de ativos alternativos, com mais de US$ 900 bilhões de ativos sob gestão em energia renovável e transição, infraestrutura, private equity, imóveis e crédito. Investimos o capital dos clientes a longo prazo, com foco em ativos reais e empresas de serviços essenciais que formam a espinha dorsal da economia global.

Expansão estratégica em energia limpa

O acordo prevê a criação de mais de 10,5 gigawatts de novos parques eólicos e solares desenvolvidos especificamente para a Microsoft. Essa iniciativa é parte do objetivo da gigante da tecnologia de alimentar todas as suas operações globais, incluindo centros de dados, com eletricidade 100% livre de carbono até 2030. Adrian Anderson, gerente geral de energias renováveis da Microsoft, destacou a importância deste projeto para a estratégia de sustentabilidade da empresa. “Este acordo não só impulsiona o desenvolvimento de redes de energia mais limpas globalmente, mas também nos ajuda a atingir nosso objetivo de consumo de energia totalmente renovável dentro desta década”, afirmou Anderson.

conteúdo patrocinado

Detalhes do acordo de energia renovável da Microsoft e Brookfield

Embora os termos financeiros do acordo não tenham sido divulgados, é sabido que o investimento gira em torno de 10 bilhões de dólares, o que financiará a construção de instalações de energia renovável entre 2026 e 2030, começando pelos Estados Unidos e Europa. Esta iniciativa é descrita como quase oito vezes maior do que qualquer outro contrato corporativo de energia renovável previamente estabelecido, como destacado em reportagens do Financial Times e El Economista.

Leia também:

Brookfield: com aprovação do Cade, empresa poderá comprar ativos após a fusão Localiza-Unidas

Impacto e projeções futuras

O acordo não só atende às crescentes necessidades energéticas da Microsoft, relacionadas principalmente aos seus serviços de nuvem e inteligência artificial, mas também estabelece um novo padrão para grandes investimentos corporativos em energia limpa. “Estamos usando nossa influência e poder de compra para gerar um impacto positivo duradouro para todos os consumidores de eletricidade”, explicou Anderson ao Financial Times. Além disso, James Phillips da Brookfield, expressou entusiasmo sobre a parceria no LinkedIn, indicando planos de expansão futuros que podem incluir projetos na Ásia, América Latina e Índia.

Capacidade e demanda crescentes

A Microsoft atualmente opera mais de 5GW em centros de dados e prevê a adição de mais capacidade nos próximos anos, destacando a importância estratégica deste acordo com a Brookfield. Este projeto se alinha com a necessidade crescente de eletricidade nos EUA, que segundo a Wells Fargo Research, deverá aumentar em 20% até o final da década devido à expansão da fabricação de semicondutores, baterias e eletrificação veicular.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado