Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Por que Anglo American rejeitou nova oferta de compra da BHP?

Oferta de compra da BHP é recusada pela AngloAmerican. (Imagem: Divulgação/AngloAmerican)
Oferta de compra da BHP é recusada pela AngloAmerican. (Imagem: Divulgação/AngloAmerican)

A Anglo American recusou novamente uma oferta de aquisição da BHP, desta vez no valor de 34 bilhões de libras (US$ 42,67 bilhões). Na última segunda (13), a maior mineradora listada do mundo anunciou que a proposta revisada “continua a subestimar significativamente” a empresa.

Histórico das propostas

Em 25 de abril, a BHP fez uma proposta inicial de US$ 39 bilhões, que foi considerada oportunista e insuficiente pela Anglo American. Em 7 de maio, a BHP elevou a oferta para US$ 42,6 bilhões, representando um aumento de 15%. A nova proposta avaliou a Anglo American em 27,53 euros por ação, contra os 25 euros por ação da oferta original. Mike Henry, diretor executivo da BHP, argumentou que a nova oferta aumentaria a participação dos acionistas da Anglo na empresa resultante da fusão para 16,6%, em comparação com 14,8% da primeira oferta.

 Oferta de compra da BHP: motivos da rejeição

  1. Subvalorização da empresa: Stuart Chambers, presidente do conselho da Anglo American, afirmou que a oferta “não reconhece o valor inerente à Anglo American”. A empresa considera que a proposta subvaloriza significativamente suas perspectivas futuras e seu potencial de crescimento.
  2. Riscos de execução: A Anglo também apontou a complexidade e os riscos de execução do negócio como fatores decisivos para a rejeição. A estrutura da oferta foi considerada “extremamente pouco atraente” para os acionistas, devido à incerteza envolvida.
  3. Defesa da autonomia: Para se proteger de ofertas de aquisição, a Anglo American anunciou uma reestruturação significativa em 14 de maio. A empresa planeja desmembrar sua subsidiária de metais de platina, Anglo American Platinum, alienar a unidade de diamantes, De Beers, vender os ativos de carvão siderúrgico e explorar opções para a operação de níquel. O CEO Duncan Wanblad afirmou que a reestruturação visa criar valor adicional sustentável e reduzir custos.

Leia também:

Parceria de ferro: Vale adquire participação no Minas-Rio

Impacto no mercado

A fusão entre a BHP e a Anglo criaria o maior produtor de cobre do mundo, um metal crucial para a descarbonização global. No entanto, a Anglo American acredita que sua estratégia de reestruturação e foco em ativos que apoiem a transição energética global é mais vantajosa a longo prazo. Cobre, ferro e nutrientes agrícolas continuarão sendo essenciais no portfólio da empresa.

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado

Após a recusa, a BHP expressou desapontamento pela decisão da Anglo de não se envolver com a oferta de compra. A empresa ainda acredita que a fusão traria valor para todos os acionistas.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado