Pesquisar
Close this search box.
Publicidade
Publicidade
X
Publicidade
X

Justiça penhora 40% do salário do CEO da SouthRock

Kenneth Pope terá R$ 52 mil de seu salário penhorado

Penhora do salário do CEO. (Imagem: Felipe Rau/Estadão)
Penhora do salário do CEO. (Imagem: Felipe Rau/Estadão)

A Justiça de São Paulo decidiu penhorar 40% do salário de Kenneth Steven Pope, CEO da SouthRock. A decisão ocorreu devido a um processo movido pela empresa Travessia, estipulando mais de R$ 71,5 milhões como valor da ação.

A SouthRock entrou em recuperação judicial em outubro do ano passado, reportando dívidas de R$ 1,8 bilhão. Além disso, executivos da empresa, incluindo Pope, são investigados pela Polícia Civil de São Paulo por supostamente terem forjado documentos e omitido mais de R$ 120 milhões em dívidas.

Penhora do salário do CEO: processo judicial

O Tribunal de Justiça de São Paulo determinou a penhora de 40% do salário líquido de Kenneth Pope, dono da SouthRock, antiga operadora da Starbucks e Subway. A empresa está em recuperação judicial desde outubro do ano passado, com uma dívida de R$ 1,8 bilhão.

Publicidade

Kenneth Pope recebe um salário bruto de R$ 180 mil mensais, resultando em R$ 130 mil líquidos. Com a decisão judicial, R$ 52 mil de seu salário serão penhorados mensalmente.

Nesse sentido, a defesa de Kenneth Pope tentou reverter a decisão, alegando que o salário era destinado a despesas básicas, como alimentação e educação de seu filho. No entanto, a juíza Mônica Soares Machado, da 33ª Vara Cível, acolheu parcialmente a justificativa, estabelecendo a penhora de 40%.

Quem é Kenneth Pope?

Pope é o CEO da SouthRock, empresa que operava as marcas Starbucks e Subway no Brasil. Com uma carreira sólida no setor de alimentos e bebidas, o empresário comandou a SouthRock durante períodos de expansão e crise financeira. Além disso, formado em administração de empresas, Pope acumulou experiência em liderança e gestão de grandes redes de franquias.

Leia também:

Justiça penhora mansão de Thiago Brennand de quase R$ 10 mi

Operações da Starbucks no Brasil

A Starbucks, administrada pela SouthRock, enfrenta desafios econômicos no Brasil. Analogamente, a alta instabilidade e variações cambiais têm prejudicado as operações, levantando questões sobre a continuidade das lojas no país.

Além disso, a recuperação judicial congela as dívidas da empresa por 180 dias e permite a reorganização das operações. De tal modo, isso inclui renegociação de contratos de franquia e possíveis alterações na estrutura operacional, visando evitar demissões e fechamento de lojas.

Alegações da Travessia

A Travessia Securitizadora, representada pelo escritório Warde Advogados, tentou penhorar 50% dos vencimentos líquidos de Pope. A empresa alegou inconsistências nas informações prestadas por Pope sobre seu salário e gastos.

A SouthRock negou todas as acusações sobre desvios e informou que os valores constam no balanço da empresa. A companhia segue em processo de reestruturação, buscando proteger as marcas representadas e os colaboradores.

Gabriel de Britto Silva, advogado especializado em direito empresarial, comentou sobre a decisão. “A recuperação judicial não afeta a solidariedade quanto ao pagamento do débito. O percentual fixado é justo para credor e devedor”.

Negociações com a Zamp

Em meio a isso, a Zamp, proprietária das redes Burger King e Popeyes no Brasil, está em negociações avançadas para operar a Starbucks no Brasil. A companhia admite que as tratativas estão avançando, mas ainda não há acordo formalizado.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado