Pesquisar
Close this search box.
Publicidade
Publicidade
X
Publicidade
X

Ibovespa cai 0,73% com impacto de dados dos EUA

Petrobras e Vale pressionam o índice para baixo

B3 - Ibovespa - Petrobras
(Imagem: divulgação/Ibovespa)

O índice Ibovespa registrou uma queda de 0,73%, fechando a 124.729,40 pontos nesta quinta-feira (23). O movimento negativo marca a quinta sessão consecutiva de perdas, impulsionadas por dados dos Estados Unidos que apontam para um cenário de juros mais elevados por um período prolongado.

No lado positivo, a Suzano (SUZB3) teve uma alta de 3,68% após enfrentar uma série de quedas durante a semana. A reação do mercado foi negativa quanto à notícia de que a empresa estaria considerando aumentar a oferta por ativos da International Paper (IP). Além da Suzano, as ações da IRB (IRBR3) e Minerva (BEEF3) também se destacaram, com altas de 1,71% e 1,10%, respectivamente.

Desempenho das mineradoras

No setor de mineração, a Vale (VALE3) registrou uma queda de 0,60%, acompanhada por CSN (CSNA3) e CSN Mineração (CMIN3), que caíram 1,65% e 2,40%, respectivamente. Assim, a desvalorização das ações da Vale reflete a queda no preço do minério de ferro.

Publicidade
Impacto das petroleiras

As ações de petroleiras também contribuíram para o recuo do índice. A Petrobras (PETR4;PETR3) teve uma queda de 0,85% nas ações ordinárias e de 1,00% nas ações preferenciais. Sendo assim, outras petroleiras como 3R Petroleum (RRRP3) e PetroRecôncavo (RECV3) fecharam com baixas de 2,68% e 0,90%, respectivamente.

De acordo com analistas do Itaú BBA, após quase três semanas oscilando entre 130.000 e 127.100 pontos, o Ibovespa apontou para a região de suporte em 123.300 pontos. “Essa região é importante não apenas pela ótica de curto prazo, mas também porque é por onde passa a média móvel de 200 períodos. Os analistas afirmaram que, se for perdida, as chances de quedas mais acentuadas aumentarão.

Portanto, com o Ibovespa em queda e a pressão das ações da Petrobras e Vale, as influências externas, especialmente os dados econômicos dos Estados Unidos, continuam impactando o mercado financeiro brasileiro.

Veja também:
conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado