Pesquisar
Close this search box.
Publicidade
Publicidade
X
Publicidade
X

O ano de 2022 iniciou com queda na indústria do cimento

O resultado foi puxado pelo agravamento da situação econômica do país e as questões de natureza sanitária. Foto de Rodolfo Quirós no Pexels

A indústria do cimento registrou um início de ano com desempenho de vendas desfavorável. A comercialização do insumo no Brasil em janeiro totalizou 4,6 milhões de toneladas, quedas de 8,6% em relação ao mesmo mês de 2021 e de 3,7% frente a dezembro último, de acordo com o Sindicato Nacional da Indústria de Cimento (SNIC).

Na comparação por dia útil, as vendas do produto registraram em janeiro 197,4 mil toneladas, uma redução de 10,8% em comparação ao mesmo mês do ano anterior e de 3,9% em relação a dezembro de 2022.

Fatores de queda

Publicidade

O resultado foi puxado pelo agravamento da situação econômica do país e as questões de natureza sanitária (a nova variante ômicron e a Influenza). As altas da inflação e dos juros, o crédito imobiliário menos acessível, o endividamento das famílias, que só deve se alterar com a recuperação do mercado de trabalho, e o mau desempenho da região Sudeste, maior produtor e consumidor de cimento, com retração de 13,3% frente a janeiro de 2021, causado, principalmente, pelas fortes chuvas que atingiram praticamente todo país, com destaque para São Paulo e Minas Gerais, foram as principais razões da baixa performance do período.

Ademais, todos os indicadores de confiança apontam uma piora nesse início do ano. De acordo com o estudo da Fundação Getúlio Vargas, os índices do consumidor, que sem o suporte dos benefícios emergenciais continuam postergando consumo e dependendo da recuperação do mercado de trabalho, da construção e dos empresários mantiveram a trajetória de queda e revelaram um pessimismo mais acentuado causado pelo cenário geral da economia.

Custos

O setor segue pressionado com os constantes aumentos de custos dos insumos, principalmente energias elétrica e térmica (coque), sacaria e refratários, entre outros. Registra-se ainda um arrefecimento nas vendas de cimento destinadas ao autoconstrutor, ocasionado pelo alto desemprego, endividamento e diminuição da renda.

Os principais indutores da atividade em janeiro permanecem sendo a continuidade das construções imobiliárias, principalmente empreendimentos de médio e alto padrão, e a retomada, ainda que modesta, de obras de infraestrutura.

“O grande desafio do setor do cimento será assegurar o desempenho de 2019 a 2021 que contribuiu para recuperação de parte das perdas do período de 2015 a 2018 durante a pior crise da história da indústria do cimento”, informa Paulo Camillo Penna, presidente do SNIC.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado