Pesquisar
Close this search box.
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Sudene fomenta cadeias produtivas da piscicultura e algicultura

O tema foi debatido em reunião entre a Autarquia, IFCE, UFC e FIEC. Raimundo Gomes de Matos, diretor de Planejamento, representou a Sudene. (Foto: Carlos Piler/Embrapa)

Durante o encontro ocorrido no último dia 4, foram avaliadas as ações do Termo de Execução Descentralizado (TED) entre a Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste, Instituto Nacional do Semiárido (INSA), Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (DNOCS) e Instituto Federal do Ceará (IFCE), voltado para a estruturação de um Centro de Tecnologia, Pesquisa e Inovação de Pescado Sustentável, em Maranguape (CE), que prevê a qualificação técnica permanente para pescadores, piscicultores, jovens e produtores rurais.

O projeto conta com recursos superior a R$ 830 mil e está estruturado em diversas etapas, incluindo diagnóstico de atividades produtivas, a fim de identificar as potencialidades para aplicação de tecnologias; ações de sensibilização para selecionar o público alvo do projeto; Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Financeira do Centro de Tecnologia; e implantação do programa “Qualificar para produzir”.

Rede Algas

Publicidade

Outro tema em pauta foi a algicultura (cultivo de algas), uma atividade econômica que vem recebendo uma atenção especial da Sudene. Foi criada a Rede Algas na área de atuação da Superintendência, para apoiar a regulamentação das atividades, produção e comercialização.

A rede formada apoia produtores, especialistas e outros atores envolvidos com o cultivo de algas, com o objetivo de levantar os principais gargalos e fomentar a atividade produtiva. Segundo o Superintendente da Sudene, general Araújo Lima, “o litoral nordestino, através do cultivo de algas marinhas de forma sustentável, poderá dar uma grande contribuição na geração de emprego e renda, fortalecendo a produção de fertilizantes, medicamentos, entre outros produtos”.

Na reunião, foi ressaltado que apesar de o litoral cearense ter um grande potencial para a algicultura, a atividade vem sendo desenvolvida de forma isolada e com vários obstáculos para a comercialização, de acordo com estudos realizados por grupos da Universidade Federal do Ceará (UFC), IFCE e Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB). As instituições vêm apoiando projetos para qualificação dos algicultores. Além de Raimundo Gomes de Matos, o encontro, realizado na Sede do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, foi prestigiado também pela pró reitora de Pesquisa da instituição, Joélia Carvalho; presidente do SindAlimentos/FIEC, André Siqueira; e professores da IFCE e UFC, Manoel Paiva,Toivi Masin e Daniel Castro.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado