Pesquisar
Close this search box.
Publicidade
Publicidade
X
Publicidade
X

S&P eleva nota de crédito internacional da Marfrig para “BB+”

Classificação da agência de rating é a melhor da história da companhia e reflete resultados recentes e compromisso da gestão com a disciplina financeira. (Foto Divulgação)

A Marfrig, líder global na produção de hambúrgueres e uma das maiores empresas de carne bovina do mundo, acaba de ter a sua nota de crédito elevada pela agência de classificação de risco Standard & Poor’s (S&P), uma das principais do mundo. A companhia saiu de “BB”, atribuída em dezembro de 2021, para “BB+” na escala global, com nota “brAAA” para o mercado local.

A nova classificação reflete a maior participação da Marfrig no Conselho de Administração da BRF, passando a influenciar o negócio. A S&P aponta que, embora a participação de 33,25% permaneça inalterada e ambas as empresas sejam administradas separadamente, há potencial para sinergias comerciais. E, no longo prazo, a Marfrig poderá diversificar seu portfólio com produtos processados e proteínas diversas, incluindo suínos e aves da BRF, resultando em novas combinações.

A agência destaca ainda que o perfil de risco de negócios da Marfrig já é relativamente forte para sua categoria de rating, dado seu tamanho considerável nos Estados Unidos e na América do Sul, o que mitiga a volatilidade do atual ciclo de commodities.

Publicidade

“A elevação da nossa classificação de crédito pela S&P reflete o trabalho realizado nos últimos anos, com foco na disciplina financeira, eficiência operacional e alta liquidez”, afirma Tang David, CFO da Marfrig.

Para chegar a essa classificação, a S&P também considerou os resultados financeiros da Marfrig reportados em 2021, com recorde de receita e de lucro, e o menor índice de alavancagem da sua história — 1,51x em reais e 1,45x em dólar, medido pela relação entre a dívida líquida e Ebitda ajustado. E ressalta que, na visão de seus analistas, a Marfrig deve manter a alavancagem abaixo de 3x, ainda que as margens voltem a níveis históricos nos Estados Unidos e que a BRF seja incorporada ao balanço.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado