Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Previsibilidade – Por Luís Henrique Alencar

*Coluna por Luís Henrique Alencar, 27/04/2022

A chave do jogo alto! A previsibilidade é a ferramenta essencial para qualquer, eu disse qualquer, negócio. Mas por quê? O que é? Onde impacta? Simples: no caixa! Toda a previsibilidade em uma empresa tem função de nortear as decisões a serem tomadas, e ainda mais, as decisões que não devem ser tomadas, tudo isso com base no caixa, na disponibilidade de pagamento da empresa.

O estatístico que tornou popular o modelo de gestão PDCA, Edwards Deming, considerado o pai do controle de qualidade moderno, deixou o seguinte ensinamento: “Em Deus nós confiamos, todos os outros trazem dados”. Ora, o que é então a previsibilidade, se não a coleção de dados, que organizados geram informações, que, por sua vez, auxiliam na tomada de decisões?

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado

Toda e qualquer decisão é tomada sendo analisado, em algum momento, o seu impacto nos cofres das empresas. Isso é um fato, mesmo se feito de forma não estruturada! Conheço diversas empresas, com dezenas de anos de vida, que não fazem a análise de previsibilidade do negócio. Uma pergunta simples deve ser respondida todos os dias pelos tomadores de decisão: se a empresa parar de vender hoje, por mais quanto tempo a empresa permanecerá viva no mercado?

A resposta para esta pergunta está no fluxo de caixa. Costumo dizer que essa análise deveria ser o café da manhã de todo tomador de decisão. É com base nele, inclusive, e como disse, que as decisões passam em algum momento.

Uma grande cilada está para as empresas, cujas reservas financeiras são, aparentemente, “boas”. Digo, a reserva financeira proporciona um certo conforto para a permanência no mercado, mas não deve ser, nem de longe, uma cama para a irresponsabilidade. Uma “boa” reserva financeira, somente pode assim ser classificada, quando analisada juntamente com a previsibilidade do negócio.

Cinco são as informações básicas para a preparação de um fluxo de caixa, as quais são: disponibilidade (saldos bancários, saldo em caixa e saldo das aplicações de liquidez imediata), contas a receber (vendas feitas com recebimentos futuros), contas a pagar (compromissos firmados com pagamentos futuros), e para atualização dos fluxos, a realização dos recebidos e pagos. Todas essas informações são extraídas dos controles financeiros.

Talvez você leitor/empresário esteja se perguntando onde alocar, então, as projeções de vendas e de gastos. Essas informações compõe um outro relatório, outra análise, chamada de orçamento de caixa, cuja finalidade é prever, além do já comprometido, como seriam os resultados de caixa da empresa caso as projeções se concretizassem.

Por fim, a previsibilidade é, sem dúvida, uma probabilidade, não sendo possível, assim, precisar a realização de 100% dos movimentos, mas com acurácia dos controles financeiros é possível confiar na informação.

Não esqueça: o caixa é rei!

**Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do ENB.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado