Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Por gestão temerária, CNC tem isenção tributária suspendida pela Receita Federal

(Foto: Fecomércio-TO)

A Receita Federal suspendeu a isenção tributária da Confederação Nacional do Comércio (CNC) por gestão temerária. A decisão se refere a gestão de 2018 e 2019, e foi publicada nesta segunda-feira (8) no Diário Oficial da União. 

A confederação deverá recolher tributos ao Fisco Federal, Estadual e Municipal. Além de ter até 20 dias para apresentar explicações detalhadas a respeito das despesas com diárias e declarações do Imposto de Renda Retido na Fonte, indicando os valores do IR e de outras contribuições que foram retidos com pagamentos a terceiros.

Outra pendência que a CNC deverá apresentar é uma planilha eletrônica mensal contendo pelo menos as seguintes informações: CPF do beneficiário; cargo/função do beneficiário; município de origem; município de destino; local do evento; finalidade do evento; quantidade de dias; valor da diária; valor total pago. A informação foi dada inicialmente pelo Metrópoles.

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado

Caso não responda no prazo estipulado, a CNC poderá ser multada. A Confederação tem o direito de buscar impugnar a ação da Receita Federal em até 30 dias.

Outras polêmicas envolvendo a CNC

Em julho deste ano, o Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) determinou o bloqueio de bens e condenou o presidente da Confederação Nacional do Comércio (CNC), José Roberto Tadros, à perda das funções públicas, suspensão dos direitos políticos por 10 anos e proibição de contratar com o serviço público pelo mesmo período. 

Tadros é alvo de uma investigação por suposto contrato de locação de imóvel com o Sesc-AM, fechado através da empresa Tropical Comércio de Derivados de Petróleo Ltda, na qual o próprio presidente está no quadro de sócios no mesmo período em que o empresário ocupava a presidência da instituição.

No Ceará, Tadros apoiou o nome do então vice-presidente, empresário Maurício Filizola, para a presidência da Fecomércio-CE, mas não obteve êxito no pleito contra o presidente reeleito e atual candidato à deputado federal, Luiz Gastão Bittencourt, que obteve vitória por ampla maioria dos sindicatos da base da instituição. Recentemente, o ex-vice-presidente e candidato derrotado foi indiciado pela Polícia Civil do Ceará por infração após suposto desvio no pagamento de um terreno na avenida Washington Soares, em nome do Serviço Social do Comércio (Sesc-CE), negociado no valor de R$ 6,3 milhões – com desvio de comissão envolvendo um advogado amigo pessoal -, durante o período em que o empresário ocupava a presidência da Federação, conforme informação do Blog Roberto Moreira

 

 

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado