Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Presidente do BCE indica crescimento ainda maior nas taxas de juros

Foto: Reprodução

O aumento das taxas de juros nas próximas reuniões é o esperado pela presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde. A ação pretende “amortecer a demanda” e “se proteger contra o risco de uma mudança persistente para cima nas expectativas de inflação”.

“Reavaliaremos regularmente nossa trajetória de política à luz das informações recebidas e da evolução das perspectivas de inflação. Nossas futuras decisões sobre taxas de juros continuarão a depender de dados e seguirão uma abordagem reunião a reunião. Melhor contribuição que podemos dar é assegurar a estabilidade de preços”, assegurou, em discurso no Parlamento Europeu.

De acordo com ela, a instituição quer chegar ao nível neutro para depois decidir se é necessário elevar ainda mais os juros. Além disso, destacou que terminada a alta de juros, o BC do bloco comum planejará como usará outras ferramentas, como o aperto quantitativo (QE, na sigla em inglês)

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado

Para a presidente, o aumento dos juros é a “melhor forma de lidar com a inflação”, que, segundo ela, ficará acima da meta por um longo período. “Não há dúvidas de que devemos agir para diminuir a inflação no médio prazo. As pressões sobre os preços estão se espalhando por mais setores, em parte devido ao impacto dos altos custos da energia em toda a economia. Preços mais elevados da energia e dos alimentos vão piorar antes de melhorar”, destacou.

”2023 será um ano difícil” – Christine Lagarde

Comentou ainda que as consequências econômicas para a área do euro continuaram a surgir desde a última reunião em junho e as perspectivas estão “escurecendo”. “Esperamos que a atividade desacelere substancialmente nos próximos trimestres. Há quatro razões principais por trás disso: a alta inflação está diminuindo os gastos e a produção em toda a economia; a forte demanda por serviços que veio com a reabertura da economia está perdendo força; o enfraquecimento da procura global; a incerteza permanece alta, refletida na queda da confiança das famílias e das empresas”, pontuou.

Para 2023, Lagarde prevê que será “um ano difícil”.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado