Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Endividamento bancário continua alto no Brasil em meio a aumento de juros e inflação

(Foto: Reprodução/internet)

A dívida no Brasil mantém-se em um patamar considerável. Nos últimos anos, os altos índices de inflação e juros têm aumentado o número de dívidas das famílias brasileiras, com operações bancárias liderando a lista de débitos mais comuns. Em janeiro de 2023, o endividamento bancário cresceu.

De acordo com o Banco Central (BC), 49,6% da renda acumulada nos últimos 12 meses até novembro de 2022 foi comprometida com dívidas de brasileiros com bancos. Embora ainda seja um percentual elevado, houve uma leve queda em relação a outubro (49,7%). No entanto, em comparação com fevereiro de 2020, antes da pandemia de covid-19, o nível aumentou em 7,9 pontos percentuais, quando o endividamento bancário era de 41,8% da renda dos brasileiros.

A crise sanitária agravou a situação da população, que já estava endividada, resultando em um aumento significativo das dívidas. De acordo com o BC, a taxa média de juros cobrada pelos bancos em operações com pessoas físicas e empresas aumentou em 8,2 pontos percentuais em 2022, chegando a 42% ao ano em dezembro. Somente em operações com pessoas físicas, a taxa de juros atingiu 55,8% no ano, um aumento de 10,8 pontos percentuais.

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado

O crédito pessoal consignado teve um aumento de 5,1 pontos percentuais na taxa de juros. A taxa de inadimplência, que é o percentual de dívidas não pagas, fechou o ano em 4,2%, um aumento de 1,1 ponto percentual em relação a 2021.

 

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado