Pesquisar
Close this search box.
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Ministro da Fazenda enfatiza foco na reforma tributária após aprovação do arcabouço fiscal

(Foto: Divulgação)

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, está determinado a concentrar os esforços da pasta na reforma tributária, após a aprovação das regras do novo arcabouço fiscal pela Câmara dos Deputados.

“A aprovação nos dá muita confiança de que a reforma tributária é a próxima tarefa a ser cumprida. Vamos disponibilizar toda a equipe da secretaria extraordinária para auxiliar o relator”, declarou o ministro ao chegar no Ministério da Fazenda na manhã de quarta-feira (24).

A expectativa de Haddad é que a reforma tributária seja votada na Câmara ainda neste semestre. Com sua aprovação, ele destacou que o país sairá de uma década de crescimento extremamente baixo, de 2013 a 2022, e iniciará um ciclo muito promissor.

conteúdo patrocinado

Segundo o ministro, o resultado alcançado na Câmara demonstra que o governo possui base no Congresso, dependendo do projeto em questão.

“O que ficou evidente ontem é que é possível obter um apoio expressivo dos parlamentares com um bom projeto. Dizia-se muito que a composição da Câmara e do Senado seriam obstáculos para as reformas necessárias ao país, mas estamos vendo que, com bom senso, diálogo, disposição, disponibilidade e entendimento, é possível”, afirmou.

No entanto, Haddad não estabeleceu uma relação direta entre a votação e uma base consistente para o Executivo.

“Não acredito que se possa estabelecer uma correspondência entre essas duas coisas. Penso que o Congresso conseguiu perceber nesse tema algo que pudesse se dissociar da disputa entre governo e oposição, porque estava em jogo o futuro do país. Quando o Congresso faz esse tipo de distinção, significa que ele está maduro para ajudar o Brasil”, opinou.

Questionado se a aprovação foi uma vitória do governo ou do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), Haddad ponderou que “todos estão se sentindo bem hoje por terem conseguido quase 400 votos no Congresso Nacional, em um país que passou por uma década de polarização”.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado