Pesquisar
Close this search box.
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Tok&Stok conclui reestruturação de dívida e recebe aporte de R$ 100 milhões do fundo Carlyle

Acordo entre Mobly e Tok&Stok. Ações vão a público
(Foto: Divulgação)

A rede de lojas de móveis e itens de decoração, Tok&Stok, anunciou o fechamento da reestruturação de sua dívida bancária, que totaliza aproximadamente R$ 350 milhões. Além disso, revelou o recebimento de um aporte de R$ 100 milhões do fundo Carlyle, seu acionista controlador.

No comunicado divulgado no final da tarde, a Tok&Stok afirmou que já está gerando caixa positivo. Isso ocorreu após um processo de reorganização que incluiu o fechamento de 17 unidades que não eram rentáveis.

A reestruturação da dívida permitirá à empresa efetuar o pagamento aos bancos nos próximos dois anos, tornando essa operação uma prioridade.

Publicidade

A estratégia de recuperação da varejista, denominada “back to basics” (retorno ao básico), envolve a simplificação do organograma da companhia, aprimoramento dos processos nas lojas e a eficiência operacional do centro de distribuição. Prevê também uma transformação digital focada na rentabilidade.

Alertas sobre a situação econômica da Tok&Stok surgiram quando o Vinci Logística Fundo Imobiliário entrou com um processo judicial para despejar o centro de distribuição da empresa em Extrema (MG) devido ao atraso no pagamento do aluguel. O caso foi resolvido após a quitação da dívida pela rede.

No início de junho, o Iguatemi de Ribeirão Preto (interior de São Paulo) obteve uma liminar que exigia que a rede varejista desocupasse a loja alugada. De acordo com a decisão, a Tok&Stok estava inadimplente com o pagamento do aluguel desde fevereiro e já devia R$ 212,7 mil.

No comunicado divulgado nesta segunda-feira, a empresa não forneceu detalhes sobre se a renegociação da dívida incluiu também os processos de despejo – a rede Iguatemi possui pelo menos mais dois processos – ou um pedido de falência apresentado por um prestador de serviços.

“Diante de um momento desafiador no mercado, estamos concentrando nossos esforços na gestão de caixa e na melhoria da operação”, declarou a empresa em nota. Atualmente, a Tok&Stok possui 51 lojas que, segundo a empresa, estão operando com resultados positivos.

“A conclusão dessa reestruturação financeira representa um sinal de confiança tanto dos credores financeiros quanto dos próprios acionistas, que continuam otimistas em relação à retomada operacional da marca”, afirmou a companhia.

Fundada em 1978 pelo casal de franceses Régis e Ghislaine Dubrule, a Tok&Stok tem como público-alvo consumidores das classes A e B. Suas lojas são conhecidas pelos ambientes decorados e pelas parcerias com designers nacionais. No ano passado, causou polêmica ao colocar à venda as cadeiras originais da arquibancada laranja do estádio do Pacaembu, com preços entre R$ 1.499 e R$ 1.799.

Em 2020, a Estok, nome empresarial da Tok&Stok, chegou a se preparar para abrir capital e até solicitou registro para uma oferta pública inicial de ações (IPO), mas o plano não avançou.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado