Pesquisar
Close this search box.
Publicidade
Publicidade
X
Publicidade
X

Preço do açúcar em alta

Canavial de açúcar
Imagem: Pixabay

Os preços do açúcar estão em alta e essa tendência deve persistir nos próximos meses, de acordo com análises do Bradesco BBI e do JPMorgan. Essa notícia é encarada como positiva para produtoras brasileiras de açúcar, incluindo São Martinho (SMTO3), Jalles Machado (JALL3) e Raízen (RAIZ4).

Condições climáticas na China favorecem o agro brasileiro

A falta de chuvas na Índia, um dos principais produtores de açúcar do mundo, tem impulsionado os preços globalmente. A expectativa é de que a situação piore, com a elevação dos preços persistindo devido ao fenômeno climático El Niño. Isso deve levar a um aumento adicional nos preços das ações das produtoras.

Embora as ações de São Martinho e Jalles Machado já tenham registrado aumentos nos últimos tempos, com variações positivas de 51,09% e 27%, respectivamente, somente em 2023. Durante a manhã desta sexta-feira (22), as ações dessas empresas apresentaram movimentos diversos. Jalles Machado, por exemplo, registrou um aumento de 3,72%, chegando a R$ 9,19, enquanto Raízen teve um aumento de 0,53%, atingindo R$ 3,76. Por outro lado, São Martinho teve uma pequena queda de 0,10%, chegando a R$ 38,52, às 11h38.

Publicidade

O impacto do El Niño

Impacto do El Niño tem causado reduções significativas nas perspectivas de produção de alimentos na Índia, de acordo com o JPMorgan. Em episódios anteriores, quando houve uma deficiência de chuvas no país superior a 20%, a inflação de alimentos aumentou em 1,2 ponto percentual (p.p.), observa Sajid Chinoy, economista-chefe do banco na Índia.

Apesar da previsão de normalização das chuvas em setembro, o JPMorgan acredita que os principais beneficiários serão Adecoagro e São Martinho. Segundo o banco, um aumento de 10% nos preços do açúcar poderia resultar em um aumento de 8% para essas empresas.

Sinal verde para Camil

Além das produtoras de açúcar, o JPMorgan sugere que a seca na Índia também pode beneficiar a Camil (CAML3), que poderia se aproveitar do cenário positivo dos preços globais do arroz. A Camil também se beneficia da proibição de exportação de arroz na Índia. A Índia é o maior exportador mundial de arroz desde 2012, fornecendo de 22% a 41% de todos os tipos de arroz comercializados internacionalmente. O banco considera que a Camil está bem posicionada para suprir parte dessa demanda.

O aumento dos preços do açúcar deve impactar o preço da gasolina, com um aumento de 18% pela Petrobras, e do etanol hidratado, com um aumento de 8,2%, assumindo uma manutenção da proporção etanol/gasolina em 64,5%.

Para o Bradesco BBI, as três produtoras (São Martinho, Jalles Machado e Raízen) são vistas como “outperform”. Além disso, a Camil está classificada como “overweight” (recomendação de exposição acima da média). As ações da Camil registraram um aumento de 0,12% às 11h48 desta sexta-feira, cotadas a R$ 8,12.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado