Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Carro a etanol retorna ao mercado com versões híbridas

Carro a etanol retorna ao mercado com versões híbridas
(Foto: Divulgação/Stellantis).

O grupo Stellantis anunciou planos para reintroduzir carros movidos a etanol no mercado brasileiro, com previsão de lançamento até o final de 2025. Esses veículos também incluirão opções com tecnologia híbrida, combinando etanol e eletricidade, conforme o projeto Bio-Hybrid da empresa.

Espera-se que as marcas Fiat e Jeep sejam as primeiras da Stellantis a oferecer esses novos modelos, equipados com motor 1.3 turbo já utilizado em versões flex. A Fiat, reconhecida por ter lançado o primeiro carro a etanol no Brasil em 1979, o modelo 147, popularmente conhecido como “cachacinha”, provavelmente será uma das pioneiras.

carro cachacinha fiat
Fiat 147, o “cachacinha” (Foto: Divulgação/Fiat).

Segundo Márcio Tonani, vice-presidente sênior dos centros técnicos de engenharia da Stellantis para a América do Sul, “O motor 100% a etanol já foi desenvolvido, é de alta eficiência e já está disponível pela Stellantis. E ele pode ser utilizado associado à tecnologia Bio-Hybrid”. Este desenvolvimento promete uma eficiência energética superior devido à calibração específica para o etanol, possibilitando autonomia comparável à dos combustíveis fósseis, mas com custo menor e menor emissão de poluentes.

conteúdo patrocinado

 

Os benefícios ambientais do etanol incluem a redução das emissões de CO2, pois a cana-de-açúcar utilizada em sua produção absorve carbono durante seu crescimento.

O interesse renovado nos carros a etanol surge em um contexto de estabilização dos preços e da oferta deste combustível, juntamente com uma maior ênfase na agenda de descarbonização. O governo brasileiro e a Anfavea têm trabalhado juntos para estimular o segmento de automóveis populares movidos a etanol, conhecidos como “carros verdes”.

Em janeiro, um estudo da Datagro revelou que apenas 30% dos motoristas optaram por abastecer carros flex com etanol. Em resposta, o governo tem promovido políticas para aumentar a disponibilidade de combustíveis renováveis, incluindo a aprovação de uma lei sobre biocombustíveis em março.

Além disso, os estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul estão desenvolvendo programas de incentivo para o setor sucroenergético. A Raízen está avançando na produção de etanol de segunda geração (E2G), que utiliza resíduos vegetais para aumentar a eficiência da produção sem expandir a área cultivada.

Esses novos veículos devem se beneficiar do IPI Verde, parte do programa Mover, que reduz o Imposto Sobre Produtos Industrializados para carros mais sustentáveis, tornando-os mais acessíveis e rentáveis para as fabricantes.

No entanto, há preocupações no setor. José Maurício Andreta Jr., presidente da Fenabrave, expressou ceticismo quanto ao foco exclusivo no etanol. “Na minha visão, o caminho é o híbrido flex e não o etanol puro, que demandaria o desenvolvimento de um novo motor, com novas calibragens, entre outros itens”. Ele também observou que em regiões como o Nordeste do Brasil, as diferenças de preço entre gasolina e etanol são mínimas, questionando a viabilidade de desenvolver veículos exclusivamente a etanol nessas áreas.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado