Pesquisar
Close this search box.
Publicidade
Publicidade
Publicidade

3R Petroleum e Enauta anunciam fusão de R$ 13,75 bilhões

Fusão cria gigante do petróleo no Brasil

Fusão 3R e Enauta. (Imagem: Divulgação/3R Petroleum)
Fusão 3R e Enauta. (Imagem: Divulgação/3R Petroleum)

Hoje (17), a 3R Petroleum e a Enauta anunciaram um acordo definitivo de fusão. Anteriormente, as companhias firmaram um memorando de entendimentos em 10 de abril. Agora, convocam assembleias de acionistas para aprovação.

Aprovação do conselho

O Conselho da 3R (RRRP3) aprovou a incorporação da Enauta (ENAT3) na última quinta-feira (16). A fusão visa formar uma companhia de petróleo com alto potencial de crescimento nos próximos anos, conforme comunicado ao mercado.

Etapas da incorporação

A 3R Petroleum realizará a fusão em duas etapas. Primeiro, ela incorporará a Maha Holding, permitindo que a 3R Offshore fique totalmente sob sua propriedade. Além disso, acionistas da Maha receberão 10.062.334 ações da 3R, equivalentes a 2,17% do total. Na sequência, a 3R incorporará as ações da Enauta, que se tornará sua subsidiária integral.

Publicidade

Leia também:

Enauta alcança lucro de R$ 209 milhões no 1º trimestre

Detalhes da fusão

A 3R ficará com 53% das ações da nova empresa, enquanto os acionistas da Enauta terão 47%. A operação formará uma companhia com valor de mercado de R$ 13,75 bilhões. Além disso, a Enauta passará a ser uma subsidiária integral da 3R e suas ações deixarão de ser negociadas no Novo Mercado, com o cancelamento do registro de companhia aberta.

Direito de retirada

Entretanto, acionistas dissidentes da Enauta que exercerem o direito de retirada receberão R$ 14,59 por ação. A 3R emitirá novas ações ordinárias, nominativas, escriturais e sem valor nominal, e as atribuirá aos acionistas da Enauta.

Impacto da fusão

A união trará uma produção potencial superior a 100 mil barris de óleo equivalente por dia, com reservas operadas superiores a 770 milhões de barris. Nesse sentido, a nova empresa terá um portfólio diversificado e um alto potencial de crescimento nos próximos cinco anos.

Condições e aprovações

A fusão ainda depende de aprovações regulatórias, incluindo o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). As assembleias de acionistas das duas companhias também precisam aprovar a operação. De tal maneira, a expectativa é que a união esteja concluída entre o fim de junho e início de julho.

Liderança da nova empresa

Décio Oddone, atual diretor-presidente da Enauta, será o diretor-presidente da nova empresa. Rodrigo Pizarro, diretor financeiro da 3R, será também diretor financeiro da nova companhia. Por fim, Matheus Dias, diretor-presidente da 3R, assumirá o novo conselho de administração.

Histórico das empresas

A Enauta, antes conhecida como QGEP, possui um histórico de operações de exploração e produção de petróleo e gás natural no Brasil. Por sua vez, a 3R Petroleum é reconhecida pela aquisição e revitalização de campos maduros de petróleo e gás.

Estratégia de crescimento

De tal modo, a fusão visa criar uma das principais companhias independentes de petróleo e gás da América Latina. A nova empresa terá resiliência a ciclos de preço e alta competitividade para expansão. Além disso, a união proporcionará crescimento composto nos próximos cinco anos, com um portfólio diversificado e balanceado.

Potencial no Mercado

Com a fusão, a 3R Petroleum e a Enauta fortalecerão sua presença no mercado brasileiro de petróleo e gás. A nova empresa se posicionará como uma das líderes no setor, com capacidade de enfrentar os desafios do mercado e aproveitar oportunidades de crescimento.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado