Pesquisar
Close this search box.
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Transporte aéreo de cargas no 1T24 tem maior volume desde 2000

Setor impulsionado pelo e-commerce

O comércio eletrônico continua sendo um propulsor para o aumento do transporte de mercadorias aéreo. (Foto: Jeffry Surianto/Pexels)

O transporte aéreo de cargas no Brasil apresentou um crescimento elevado de 5,3% em volume no primeiro trimestre de 2024 em comparação com o mesmo período do ano anterior. Com um total de 349,4 mil toneladas movimentadas entre janeiro e março, este foi o maior volume registrado nesse período desde 2000, segundo dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) compilados pelo Instituto Ilos. A demanda foi impulsionada principalmente pelo crescimento contínuo do comércio eletrônico.

Impacto do e-commerce no setor aéreo

O comércio eletrônico, que ganhou força durante a pandemia, continua sendo um propulsor para o aumento do transporte aéreo de cargas. Grandes empresas como Amazon e Mercado Livre têm feito investimentos significativos no Brasil. Além disso, empresas asiáticas como Shein, Shopee, AliExpress e Temu também têm se destacado no comércio eletrônico transfronteiriço, contribuindo para o crescimento do setor, mesmo com a recente implementação de um Imposto de Importação de 20% para compras de até US$ 50.

Leia Também:

conteúdo patrocinado

Investimentos em infraestrutura

A infraestrutura aeroportuária no Brasil também tem recebido investimentos importantes. O Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio de Janeiro, adicionou mais uma rota regular de cargas no início de maio, após a americana Atlas Air transferir um de seus voos semanais para o terminal carioca. No Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, a canadense Brookfield está expandindo seus armazéns, enquanto a DHL Supply Chain, em parceria com a brasileira Levu Air Cargo, anunciou um investimento de R$ 1 bilhão em novas rotas cargueiras.

Expansão e novos players no mercado

Desde 2022, a Shein tem construído uma cadeia integrada de logística no Brasil, com três galpões em São Paulo somando 256 mil metros quadrados. A chegada da Temu ao Brasil, conhecida por seu app de compras mais baixado do mundo, promete acirrar ainda mais a concorrência no setor. O programa Remessa Conforme, que regula e tributa o comércio transfronteiriço, tem incentivado novos investimentos em logística e aviação de carga.

Perspectivas e crescimento contínuo

A Azul Cargo investiu R$ 12 milhões em novos terminais de cargas e atualmente opera em 160 destinos no país. Sua parceria com a Amazon permite alcançar 100% dos municípios brasileiros. O Mercado Livre, que colabora com a GOLLOG, subsidiária da Gol, investe R$ 23 bilhões no país, incluindo em logística, ajudando a liderar o mercado de carga aérea em janeiro de 2024.

Crescimento global e desafios

A nível global, a demanda por carga aérea cresceu 11% em abril de 2024, marcando o quarto mês consecutivo de crescimento. As tarifas de frete aéreo também estão subindo, com a tarifa spot China-América do Norte atingindo $5,86/kg em maio. Nos EUA, a demanda aumentou especialmente com a proximidade do Dia das Mães, com a Latam Airlines transportando mais de 24.000 toneladas de flores.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado