Pesquisar
Close this search box.
Publicidade
Publicidade
X
Publicidade
X

Focando em tecnologia e logística, Petrobras realiza voo com drone

Testes de aeronaves não tripuladas visam reduzir custos e emissões

Drone da Petrobras aposta em segurança, logística e descarbonização. (Foto: Cezar Fernandes/Agência Petrobras)
Drone da Petrobras aposta em segurança, logística e descarbonização. (Foto: Cezar Fernandes/Agência Petrobras)

A Petrobras deu início a testes pioneiros com aeronaves não tripuladas para transportar cargas para plataformas de petróleo em alto-mar. No primeiro voo, uma aeronave percorreu aproximadamente 180 quilômetros, ligando Macaé, no litoral norte do Rio de Janeiro, à plataforma P-51, situada na Bacia de Campos.

O uso de drones promete trazer uma série de benefícios, como a redução de custos operacionais e emissões de gases poluentes no transporte de cargas de até 50 quilos. Este voo marcou o primeiro uso de uma aeronave civil remotamente pilotada (RPA) para uma longa distância no Brasil, realizado em parceria com a OMNI Táxi Aéreo.

Drone da Petrobras: colaboração para a segurança e descarbonização

O diretor de Comercialização e Logística da Petrobras, Claudio Schlosser, destacou a importância do trabalho em equipe para alcançar esta conquista. Segundo ele, a colaboração entre a Petrobras, a iniciativa privada e autoridades governamentais foi importante para aumentar a segurança e reduzir a exposição ao risco humano. “A iniciativa avança na descarbonização, pois as RPAs geram menos emissões que os helicópteros, agilizando operações e ampliando o período de atendimento logístico, já que as missões poderão ser realizadas no período noturno”, afirmou Schlosser.

Publicidade

Acompanhamento e regulamentação

A operação foi monitorada por órgãos governamentais como a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea) e a NAV Brasil, responsáveis por serviços de navegação aérea. Antes de iniciar o serviço regular, a Petrobras realizará mais testes para avaliar rotas, altitudes, procedimentos de subida e descida, e o compartilhamento do espaço aéreo com outras aeronaves.

Desde 2018, a Petrobras utiliza drones para diversas operações localizadas, como inspeção de equipamentos industriais, pintura de plataformas e embarcações, e outros trabalhos em altura, o que já ajudou a reduzir a exposição humana a riscos. Com a expansão do uso de drones para transporte de cargas, a empresa visa consolidar sua posição como a maior contratante de helicópteros do Brasil, otimizando e modernizando suas operações logísticas.

Leia também:

O marco na aviação civil brasileira

O primeiro voo de longo alcance com uma aeronave civil remotamente pilotada, realizado em julho, percorreu cerca de 180 quilômetros entre a base da Petrobras em Imbetiba (Macaé, RJ) e a plataforma P-51. Este marco foi celebrado em uma reunião solene na sede da Petrobras, com a presença de representantes da Força Aérea Brasileira (FAB), NAV Brasil, ANAC e Omni Táxi Aéreo.

Perspectivas futuras

A Petrobras planeja continuar os testes com a tecnologia RPA, analisando os dados coletados e simulando outros voos para validar o compartilhamento do espaço aéreo. Dependendo dos resultados, a implementação do transporte regular de cargas com drones poderá ocorrer ainda no segundo semestre deste ano.

O uso de drones para transporte de cargas representa um avanço na logística aérea offshore. Classificados como voos BVLOS (Beyond Visual Line of Sight), esses testes não apenas visam reduzir custos, mas também coletar dados para melhorar as rotas e procedimentos, além de diminuir as emissões de gases de efeito estufa.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado