Pesquisar
Close this search box.

A sabedoria de Einstein: erros como degraus para o sucesso – Por Sávio Carvalho

“A pessoa que nunca cometeu um erro nunca tentou nada de novo. Eu tentei 99 vezes e falhei, mas na centésima tentativa, consegui. Nunca desista; a próxima tentativa pode ser a vitoriosa.” Com essas palavras, no meio do século XX, Albert Einstein já antecipava um elemento chave do processo de aprendizagem e inovação de hoje. O “erro”, outrora uma figura execrada, evoluiu para ser não apenas tolerado, mas até promovido como parte da cultura.

Do Vale do Silício à Cultura do Fracasso
Inspirados pela “cultura do fracasso”, investidores no Vale do Silício frequentemente avaliam o potencial de sucesso de um projeto com base na quantidade de fracassos anteriores do empreendedor. Eles veem o fracasso não como um erro, mas como o resultado de um risco calculado. Afinal, enfrentar o fracasso sugere que, por trás dele, há alguém disposto a correr riscos, um aspecto essencial da inovação.

Kintsugi: A Arte Japonesa da Resiliência
Quatro séculos antes de Einstein e da ascensão do Vale do Silício, os japoneses já haviam criado o Kintsugi, uma técnica artística que transforma objetos quebrados – e, por extensão, pessoas – em algo valioso e belo. Esta arte envolve a restauração de vasos e cerâmicas partidos com ouro derretido, simbolizando uma valorização das marcas de desgaste e da história por trás de cada objeto. Assim, um vaso que nunca se quebrou é apenas um vaso, independentemente de seu custo.

Filosofia do Kintsugi: Aprendendo com a Quebra
O que é verdadeiramente especial é o objeto que, após ser quebrado, é restaurado e se torna único, insubstituível e inigualável. Essa filosofia de vida enfatiza a importância da resiliência e do amor-próprio diante das adversidades, em um mundo que frequentemente busca a perfeição. Ela representa o respeito pela nossa jornada, repleta de fracassos, desenganos e perdas.

Aceitação e Evolução: O Legado do Kintsugi
O Kintsugi simboliza a aceitação da mudança e da evolução como realidades inerentes à vida. Ele representa a determinação de superar desafios, valorizando cada cicatriz que evidencia nossa capacidade de nos reconstruir e nos tornar mais fortes diante dos infortúnios da vida.

*Opinião – Artigo Por Sávio Carvalho, comunicólogo, mestre em administração de empresas, especialista em gestão de crises, estratégia e desenvolvimento de pessoas para relações institucionais e humanas.

Receba as últimas notícias do Economic News Brasil no seu WhatsApp e esteja sempre atualizado! Basta acessar o nosso canal: CLIQUE AQUI!

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado