Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Paulo Guedes afirma que “Brasil vai crescer mais que a China”, em entrevista

Foto: Reprodução

O ministro da Economia, Paulo Guedes, participou na noite desta terça-feira (27) do Flow Podcast, onde abordou temas como PIB, teto de gastos, orçamento e auxílio emergencial e Auxílio Brasil. O ministro destacou o crescimento da economia brasileira, especialmente ao comparar com outros países.

“Vai ser a primeira vez em 42 anos que o Brasil vai crescer mais do que a China”, apontou. “Estamos crescendo mais do que eles, estamos com a inflação mais baixa do que eles. Tivemos, agora, nesse trimestre, a maior deflação da história, três meses seguidos”, disse.

Guedes reforçou sobre a recuperação do país “em V”, e que foi desacreditado quando fez a projeção. “Fizeram previsões catastróficas”, disse. “Resultado, o Brasil voltou a crescer 4,5%, este ano todo mundo dizia que teria recessão”, argumentou. “Este ano, estamos crescendo mais do que os Estados Unidos, mais do que a França, mais do que a Alemanha”.

conteúdo patrocinado

O ministro ressaltou que o crescimento aconteceu mesmo diante de algumas crises, entre elas, a pandemia. “Fomos atingidos por dois ou três acidentes econômicos fulminantes. E mesmo assim, no primeiro trimestre de 2020, o Brasil estava começando a decolar”.

Em relação à pandemia, Guedes afirmou que, no primeiro ano do governo, houve reformas, citando a Previdência, o acordo com a União Europeia e a área de Livre Comércio da Europa, “fomos fazendo acordos comerciais”. “O Brasil estava no chão, nós começamos a levantar o Brasil. Sofremos a crise hídrica, sofremos a crise que houve com o colapso da Argentina. Ao mesmo tempo, aconteceu Brumadinho, que nos tirou 0,3 a 0,4 [por cento] de crescimento do PIB.”

E destacou a criação do auxílio emergencial quando estourou a pandemia no país, que, segundo ele, foram 68 milhões de brasileiros protegidos. “Perdemos 1 milhão de empregos formais em 60 dias, parecia o fim do mundo”, lembrou.

Segundo Guedes, uma série de medidas ajudou a preservar 11 milhões de empregos durante a pandemia e a criar empregos. “Do fundo do poço que foi julho de 2020, até hoje criamos 16 milhões de novos empregos, mais do que Estados Unidos, Inglaterra e Alemanha juntos. Foram 8,8 milhões com carteira assinada e 7,3 milhões de empregos informais. Ou seja, nós protegemos 27 milhões de empregos, nesses dois anos”, informou.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado