Pesquisar
Close this search box.
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Governo não descarta explorar petróleo na foz do rio Amazonas

A alta nos preços do petróleo é atribuída a outros fatores, como a imposição de sanções dos Estados Unidos ao petróleo russo e uma revisão para cima das projeções de queda nos estoques no quarto trimestre.
(Foto: Bahadir CIVAN/Pexels)

Durante sua participação na reunião do G7 em Hiroshima, no Japão, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou não visualizar, pelo menos por enquanto, efeitos negativos para a Amazônia na exploração de petróleo na foz do rio Amazonas.

Lula ressaltou que a exploração ocorre em alto mar, a uma distância de 530 quilômetros da Amazônia, e que, caso haja qualquer impacto para a região, a exploração não será realizada. No entanto, ele acrescentou que tomará uma decisão somente quando retornar ao Brasil, afirmando: “Eu só posso saber quando chegar [ao país].”

Na última semana, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) negou o pedido da Petrobras para perfurar a bacia da foz do rio Amazonas com o objetivo de explorar petróleo na região.

conteúdo patrocinado

Rodrigo Agostinho, presidente do instituto, destacou que todas as oportunidades foram oferecidas à Petrobras para corrigir pontos críticos do projeto, mas ainda existem inconsistências preocupantes que dificultam a operação segura em uma nova fronteira exploratória de alta vulnerabilidade socioambiental.

A decisão do Ibama gerou divisões no governo. Randolfe Rodrigues, líder do governo Lula no Congresso Nacional, optou por deixar o partido Rede, da ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, em razão da recusa. Rodrigues é um dos defensores do empreendimento.
Além disso, houve repercussão dentro do governo, com o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, defendendo que a Petrobras não desista e reiterando o pedido ao Ibama, para que sejam feitos todos os esforços necessários para cumprir as condições e comprovar a adequação do projeto visando à prospecção segura e sustentável da área.

A Petrobras, por sua vez, anunciou que está analisando o apelo do ministro Silveira e reafirmou seu compromisso com o desenvolvimento da margem equatorial brasileira, reconhecendo a importância de novas fronteiras para garantir a segurança energética do país e os recursos necessários para a transição energética justa e sustentável.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado