Pesquisar
Close this search box.
Publicidade
Publicidade
X
Publicidade
X

Tesouro Direto: vendas superam resgates em R$ 1,757 bilhões em Maio

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

No mês de maio deste ano, o Tesouro Direto apresentou saldo positivo de R$ 1,757 bilhões, com as vendas superando os resgates. Os números foram divulgados pelo Tesouro Nacional na terça-feira (27), com as vendas totalizando R$ 4,314 bilhões e os resgates somando R$ 2,556 bilhões. Desse total, R$ 2,442 bilhões foram de recompras de títulos públicos e R$ 114,1 milhões de vencimentos.

Os títulos corrigidos pela taxa básica de juros, a Selic, foram a escolha de 61,7% dos investidores, seguidos dos títulos vinculados à inflação com 25% e os títulos prefixados com 13,3%.

O estoque total do Tesouro Direto atingiu R$ 116,1 bilhões no final de maio, um aumento de 2,5% em relação ao mês anterior e 26,7% em comparação com maio do ano anterior.

Publicidade

Houve uma entrada de 311.827 novos investidores no programa em maio, aumentando o total para 24.333.855, um crescimento de 28,4% em 12 meses. Os investidores ativos – aqueles com operações em aberto – chegaram a 2.210.657, um acréscimo de 11,9% em um ano.

Os dados destacam a preferência dos pequenos investidores pelo Tesouro Direto, já que 81,8% das operações (624.762 no total) envolveram vendas de até R$ 5 mil. A fatia de operações com investimento de até R$ 1 mil atingiu 59,2% desse número.

Títulos de médio prazo foram preferidos, com vendas de títulos de um a cinco anos representando 36,4% do total, enquanto títulos de cinco a dez anos abarcaram 46,5%. Papéis com prazo superior a dez anos alcançaram 17,1% das vendas.

Desde sua criação em 2002, o Tesouro Direto tem democratizado a compra de títulos públicos, permitindo que pessoas físicas adquiram esses títulos diretamente do Tesouro Nacional via internet.

A venda de títulos é uma maneira crucial do governo arrecadar fundos e pagar suas dívidas. Em troca, o Tesouro Nacional se compromete a devolver o valor investido com um adicional baseado na Selic, nos índices de inflação, no câmbio ou em uma taxa predefinida no caso dos papéis prefixados.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado