Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Auditores agropecuários recebem treinamento para fiscalizar laboratórios de algodão

Auditores agropecuários estão agora melhor equipados para fiscalizar os laboratórios de classificação de algodão no Brasil. O Centro Brasileiro de Referência em Análise de Algodão (CBRA), sob a alçada da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), concluiu um treinamento especializado para oito desses auditores fiscais federais na última quarta-feira (19/07).

A capacitação visa familiarizar os auditores com o Programa de Qualidade do Algodão Brasileiro, uma certificação voluntária de autocontrole coordenada pelo Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa). “Nosso objetivo com esse treinamento de três dias foi transmitir todos os detalhes do programa SBRHVI, desde o manual de qualidade até os pontos críticos, desde a coleta das amostras até a emissão do laudo das análises”, explica Edson Mizoguchi, gestor do programa de qualidade da Abrapa.

No momento, o Mapa supervisiona doze laboratórios que realizam análises de qualidade de fibra para os produtores de algodão. Essa iniciativa representa um grande passo para valorizar o autocontrole praticado pelos beneficiadores de algodão, todos avaliados por laboratórios já monitorados pelo programa SBRHVI.

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado

De acordo com Cid Alexandre Rozo, auditor federal agropecuário do Mapa, é provável que 45% da produção de algodão deste ano receba certificação. “A ideia por trás da certificação é fortalecer a confiabilidade das avaliações de qualidade do algodão brasileiro. Com a certificação, a Abrapa passa a ser auditada pelo Mapa em todos os processos, dando ao Ministério a responsabilidade de aprovar a qualidade de cada fardo de algodão”, detalha Rozo.

Para além dos laboratórios, mais de 100 usinas de beneficiamento de algodão (UBA) também se inscreveram no programa. “Esperamos que o número de usinas participantes aumente progressivamente, mas já neste ano, quase metade delas estão incluídas. Isso equivale a aproximadamente 5 a 6 milhões de fardos de algodão”, Rozo acrescenta.

A confiança na qualidade do algodão brasileiro é essencial para a expansão e conquista de mercados internacionais. Rozo espera que, com a maior confiança no programa, a demanda pelo algodão brasileiro cresça. Ele antecipa ainda que a certificação brasileira seja reconhecida pela aduana chinesa, facilitando a exportação do nosso produto.

Através do SBRHVI, o foco permanece na qualidade, padronizando a classificação instrumental do algodão e digitalizando o acesso aos dados de classificação, de modo a colocar o Brasil em pé de igualdade com os maiores produtores de algodão do mundo.

O programa Standard Brasil HVI (SBRHVI) foi concebido com a finalidade de assegurar a procedência dos resultados obtidos. Isso resulta, inevitavelmente, na geração de credibilidade e transparência para as análises HVI conduzidas pelos laboratórios de algodão de classificação instrumental operantes no Brasil.

Receba as últimas notícias do Economic News Brasil no seu WhatsApp e esteja sempre atualizado! Basta acessar o nosso canal: CLIQUE AQUI!

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado