Navegação sob ameaça: consequências para o comércio mundial

Navegação sob ameaça: consequências para o comércio mundial
(Foto: Kai Pilger/Pexels).

A economia mundial se apoia fundamentalmente na premissa de que navios de todas as nações devem ter permissão para navegar pelos mares abertos, uma regra que tem sido a base do comércio internacional por décadas. No entanto, a navegação está sob ameaça devido a diversas crises de segurança marítima desde o Mar Vermelho até o Mar Negro. Elas levantam preocupações sobre a sustentabilidade da expansão do comércio global que se seguiu à Segunda Guerra Mundial.

Barreiras na navegação segura

Ataques por rebeldes houthi no Mar Vermelho e a invasão da Ucrânia pela Rússia no Mar Negro exemplificam como áreas críticas de navegação estão se tornando zonas de risco. Tais eventos resultaram no aumento das tarifas de frete e reacenderam temores sobre a segurança na navegação em rotas essenciais. No Mar do Sul da China e no Estreito de Taiwan, declarações de soberania por Pequim e tensões crescentes adicionam complexidade ao cenário marítimo global.

Este panorama foi destacado por James Stavridis, ex-almirante da reserva dos EUA e ex-comandante supremo aliado da OTAN, que observou uma competição intensa pelos mares nunca antes vista durante sua carreira. Ele enfatizou a importância do Tratado do Direito do Mar da Nações Unidas na manutenção da ordem marítima internacional.

A história mostra que o conceito de “liberdade dos mares” só se concretizou plenamente após a vitória dos EUA sobre o Japão em 1945. Desde então, a navegação livre tem sido um pilar para o desenvolvimento econômico mundial, permitindo o transporte seguro de mais de 80% das mercadorias globais por navios, segundo dados da ONU. Essa liberdade contribuiu para a prosperidade econômica de nações ao redor do mundo.

No entanto, a cooperação internacional para a segurança nos mares tem diminuído. Exemplos incluem a resposta conjunta da China e dos EUA contra piratas somalis em 2008 e a colaboração pós-Guerra Fria entre a Rússia e forças americanas. Hoje, a possibilidade de uma ação unificada entre grandes potências parece remota, o que coloca em questão a continuidade da navegação livre como uma característica permanente do comércio internacional.

Busca por soluções

Nesse contexto de navegação sob ameaça, países como a França e a Índia têm tomado medidas individuais para proteger seus navios. Enquanto isso, o custo do seguro para navegar em certas regiões disparou, evidenciando o aumento dos riscos. A situação no Mar Vermelho e no Mar Negro tem impactado diretamente o custo e a eficiência do transporte de mercadorias. Isso traz repercussões para a economia global e a segurança alimentar.

A questão central é quem irá garantir a manutenção do comércio livre e seguro nos mares. A ausência de uma coalizão global forte para esta finalidade sugere um futuro incerto para a navegação livre. Com a liberdade de navegação em risco, governos, autoridades marítimas e o setor de seguros buscam soluções para preservar os benefícios do comércio global. Ao mesmo tempo, eles enfrentam os desafios impostos por um ambiente marítimo cada vez mais conturbado.

Receba as últimas notícias do Economic News Brasil no seu WhatsApp e esteja sempre atualizado! Basta acessar o nosso canal: CLIQUE AQUI!

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado