Pesquisar
Close this search box.

Câmara dos Estados Unidos aprova projeto de lei contra TikTok

TikTok - redes sociais
(Imagem: Pixabay)

Aprovado nesta quarta-feira (13) pela Câmara dos Estados Unidos, um projeto de lei levanta a possibilidade de uma proibição nacional do TikTok, o popular aplicativo de rede social. A votação foi com 352 a favor e 65 contra. Entre eles, 15 republicanos e 50 democratas, opondo-se, agora encaminham o projeto para avaliação do Senado, gerando incertezas sobre o futuro da rede social.

Se implementado, o projeto exigirá que o TikTok seja removido das lojas de aplicativos dos EUA, a menos que a empresa mãe chinesa, ByteDance, se separe do controle da plataforma, que conta com cerca de 170 milhões de usuários americanos. Defensores do projeto alertam sobre potenciais ameaças à segurança nacional, temendo que o governo chinês possa acessar dados de usuários dos EUA por meio da ByteDance.

O projeto enfrentou oposição de várias direções políticas, incluindo o ex-presidente Donald Trump, que antes apoiava a proibição do aplicativo. No entanto, recentemente ele mudou de posição. Enquanto isso, democratas enfrentam pressão de jovens progressistas que veem o TikTok como uma plataforma preferida. A China e os criadores do TikTok reagiram com indignação à votação, acusando-a de bullying e ataque à liberdade de expressão.

Apelo

Como resposta, o TikTok lançou uma campanha de apelo dentro do aplicativo, incentivando os usuários a contatar os representantes em Washington. Assim, resultou em um volume de ligações aos escritórios do Congresso. Se o projeto passar, a ByteDance terá aproximadamente cinco meses para vender o TikTok, caso contrário, a distribuição nas lojas de aplicativos se tornará ilegal.

O projeto recebeu apoio bipartidário no Comitê de Energia e Comércio da Câmara, indicando um raro consenso político. O presidente Joe Biden expressou disposição para assinar o projeto, se aprovado. No entanto, o líder da maioria no Senado, Chuck Schumer, não se comprometeu a agendar uma votação sobre o assunto, aumentando a incerteza.

Os legisladores que endossam o projeto afirmam que não se trata de uma proibição, mas sim de uma exigência para que o TikTok se separe da controladora chinesa. No entanto, o TikTok nega as acusações, argumentando que a legislação inevitavelmente levará à proibição do aplicativo nos Estados Unidos. O CEO do TikTok, Shou Chew, buscou agendar reuniões extensas com membros do Congresso e a empresa enviou cartas aos legisladores contestando a interpretação da campanha de apelo do TikTok.

Receba as últimas notícias do Economic News Brasil no seu WhatsApp e esteja sempre atualizado! Basta acessar o nosso canal: CLIQUE AQUI!

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado