Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Contra a China, Samsung amplia produção de chips nos EUA

Samsung se posiciona como aliado dos EUA na produção de chips. (Foto: Samsung Memory/Unsplash)
Samsung se posiciona como aliado dos EUA na produção de chips. (Foto: Samsung Memory/Unsplash)

A Samsung, gigante da tecnologia sul-coreana, está em vias de aumentar significativamente seu investimento na produção de semicondutores nos Estados Unidos. De acordo com o The Wall Street Journal, a empresa pretende elevar seu investimento inicial de US$ 17 bilhões para US$ 44 bilhões na cidade de Taylor, Texas. Este novo aporte destina-se à construção de uma segunda unidade de fabricação de chips, além de instalações de pesquisa e desenvolvimento.

Subsídios da Lei dos Chips

Este aumento no investimento da Samsung faz parte de um esforço maior, respaldado pela Lei dos Chips, uma iniciativa de US$ 53 bilhões aprovada há dois anos para fortalecer a indústria de semicondutores dos EUA. Espera-se que a Samsung receba um dos maiores pacotes de subsídios oferecidos no âmbito desta lei, em reconhecimento à sua capacidade de produzir chips avançados essenciais para áreas como defesa e inteligência artificial.

Contribuições de gigantes globais na produção de chips

Além da Samsung, outras líderes do setor de semicondutores como a Taiwan Semiconductor Manufacturing Company (TSMC) e a Intel já anunciaram investimentos significativos nos Estados Unidos. A TSMC, por exemplo, planeja expandir seus investimentos no Arizona de US$ 12 bilhões para US$ 40 bilhões com a construção de uma segunda fábrica. Por sua vez, a Intel revelou um plano de US$ 100 bilhões para desenvolver e ampliar suas fábricas de semicondutores em vários estados americanos, com uma expectativa de receber até US$ 44,5 bilhões em subsídios e incentivos fiscais.

conteúdo patrocinado

EUA e China na luta pela superioridade em semicondutores

A expansão da produção de semicondutores nos Estados Unidos não apenas visa recuperar a participação de mercado perdida desde 1990, mas também é uma estratégia para conter os avanços da China nesse setor. Atualmente, Taiwan domina a fabricação de semicondutores avançados, essenciais para a segurança tanto dos EUA quanto da China. Este cenário serve de pano de fundo para “Chip War”, livro que destaca a importância dos semicondutores no cenário global e as consequências potenciais da autonomia da China na produção desses componentes.

Oportunidades na América Latina

Enquanto a competição entre EUA e China continua, outros veem potenciais oportunidades. Eduardo Leite, governador do Rio Grande do Sul, expressou interesse em posicionar seu estado como um futuro centro de produção de chips para a América Latina, vislumbrando uma diversificação da dependência asiática.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado