Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Insegurança alimentar afeta uma em cada dez famílias brasileiras

Alimentação - Almoço - Comida - IBGE - Insegurança alimentar
(Imagem: Agência Brasil/EBC)

No último trimestre de 2023, cerca de 7,4 milhões de famílias brasileiras, ou seja, 9,4% do total, enfrentaram insegurança alimentar moderada ou grave, conforme revelado pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgada nesta quinta-feira (25).

De acordo com o IBGE, esses mais de 7 milhões de lares, que experimentaram a redução na quantidade de alimentos consumidos ou tiveram os padrões de alimentação alterados, abrigam 20,6 milhões de pessoas.

A pesquisa adotou um questionário sobre a situação alimentar dos domicílios nos 90 dias que antecederam a entrevista. “A gente não fala de pessoas [individualmente], a gente fala de pessoas que vivem em domicílios que têm um grau de segurança ou insegurança alimentar”, destaca o pesquisador do IBGE, Andre Martins.

conteúdo patrocinado

Segundo a Escala Brasileira de Insegurança Alimentar, os domicílios classificaram-se em quatro níveis. Então, o grau de segurança alimentar reflete o acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente.

Classificação dos domicílios
  • Segurança Alimentar: 56,7 milhões de famílias (152 milhões de pessoas).
  • Insegurança Alimentar Leve: 14,3 milhões de famílias (43,6 milhões de pessoas).
  • Insegurança Alimentar Moderada: 4,2 milhões de famílias (11,9 milhões de pessoas).
  • Insegurança Alimentar Grave: 3,2 milhões de famílias (8,7 milhões de pessoas).
Comparação com levantamentos anteriores

Em comparação com a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) de 2017 e 2018, houve uma melhora na situação. O percentual de domicílios em segurança alimentar aumentou de 63,3% para 72,4% em 2023. A insegurança alimentar moderada ou grave reduziu de 12,7% para 9,4%. Já a insegurança alimentar leve caiu de 24% para 18,2%.

“A recuperação da renda e do trabalho, juntamente com investimentos em programas sociais e de alimentação, especialmente os programas de transferência de renda, refletiram diretamente na escala de insegurança alimentar, respondendo bem a esse tipo de intervenção”, afirma Martins.

Fatores contribuintes

A redução dos preços dos alimentos também contribuiu para a melhoria da situação. Em 2023, os produtos alimentícios para consumo no domicílio tiveram uma queda de preços de 0,52%.

Entretanto, o pesquisador do IBGE, Leonardo de Oliveira, destaca que não se pode atribuir o avanço apenas a 2023, uma vez que passaram cinco anos entre a POF 2017/2018 e a Pnad Contínua de 2023, sem nenhuma pesquisa intermediária sobre segurança alimentar.

Apesar dos avanços, em 2013, a segurança alimentar garantia a 77,4% dos lares, com índices inferiores de insegurança alimentar leve, moderada e grave, situando-se abaixo da situação observada atualmente.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado