Pesquisar
Close this search box.
conteúdo patrocinado

Mineradoras registram alta e criticam novo imposto

Mineradoras registram alta e criticam novo imposto
(Foto: Dominik Vanyi/Unsplash).

O setor minerário do Brasil começou o ano de 2024 com um crescimento de 25% no faturamento e um avanço de 18,3% nas exportações em comparação com o mesmo período de 2023. Este crescimento foi divulgado pelo Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), representante das principais empresas do setor.

O aumento no faturamento, que alcançou R$ 68 bilhões no primeiro trimestre, foi particularmente notável nos estados de Minas Gerais e Pará, que viram incrementos de 29% e 34% respectivamente. O minério de ferro, que constitui 64,2% do faturamento do setor, continua a ser o principal produto, seguido pelo cobre e ouro.

 

conteúdo patrocinado

Julio Nery, diretor de sustentabilidade do Ibram, comentou sobre as condições favoráveis que ajudaram a impulsionar estes números. “As chuvas deste ano foram mais bem distribuídas e menos intensas em comparação com anos anteriores, o que teve um impacto positivo na produção.” Ele também compartilhou um otimismo cauteloso para o restante do ano, baseado em relatórios preliminares das empresas mineradoras.

No entanto, o panorama não é completamente positivo, pois o setor enfrenta impasses relacionados à recente reforma tributária. A adoção do Imposto Seletivo foi especialmente criticada pelo Ibram. Rinaldo Mancin, diretor de relações institucionais do Ibram, expressou preocupações. “Este novo imposto tem um viés predominantemente arrecadatório que pode reduzir a atratividade do Brasil como destino para investimentos minerários.”

Este imposto tem o objetivo de desencorajar o consumo de produtos considerados prejudiciais à saúde ou ao ambiente. No Brasil, esta medida afetará produtos como veículos, bebidas alcoólicas e minerais, entre outros. “O mercado de minério de ferro é muito sofisticado e qualquer mudança tributária pode afetar a competitividade do setor”, acrescentou Mancin.

A reforma tributária, que ainda está sendo debatida no Congresso Nacional, também propõe a unificação de tributos como o ICMS e o IPI com outros impostos federais, estabelecendo uma cobrança simplificada que será repartida entre as esferas de governo. Embora o Ibram apoie a simplificação tributária, a organização se opõe firmemente ao Imposto Seletivo.

Outro tópico de grande relevância discutido por Raul Jungmann, diretor-presidente do Ibram, foi o levantamento realizado pelo MapBiomas sobre a expansão da mineração e do garimpo no Brasil, que mostra um crescimento impressionante, especialmente em áreas protegidas onde a mineração é ilegal. Jungmann destacou a necessidade de fiscalização e regulamentação mais efetivas para combater o aumento do garimpo ilegal, o qual muitas vezes ocorre em terras indígenas e unidades de conservação.

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado