Pesquisar
Close this search box.
Publicidade
Publicidade
X
Publicidade
X

Imóveis em São Paulo e outras capitais brasileiras apresentam crescimento e valorização em 2023

Mercado imobiliário de luxo se destaca em várias capitais

(Foto: Kampus Production/Pexels)

Conforme dados do Anuário DataZAP 2024, com dados do ano de 2023, divulgado na última quinta-feira (16/05), o mercado imobiliário de São Paulo passou por muitas mudanças entre 2022 e 2023. Em 2023, a cidade de São Paulo direcionou 51% dos leads para compra de imóveis de 2 dormitórios, superando a quantidade de anúncios disponíveis, que encerrou o ano com 37%. Os imóveis de 3 dormitórios continuaram sendo os mais ofertados, com 39% dos anúncios. As tipologias de 1 e 4 dormitórios representaram 12% da proporção do último ano, sem ultrapassar o volume das ofertas anunciadas nos portais.

Em termos de área útil, anúncios até 90m² foram os mais demandados na cidade, especialmente a faixa entre 60 a 90m², que indicou 35% da demanda nos portais. A geração de leads para as demais faixas ficou abaixo do volume de anúncios ofertados em 2023. Anúncios com e sem suíte, disparados, foram os mais buscados, juntos concentrando 86% da demanda.

Anúncios com 1 vaga de garagem representaram 55% da geração de leads na cidade. Tipologias sem vaga e com 2 vagas de garagem também tiveram boa demanda, somando 39%. Anúncios com preços até R$500 mil apresentaram boas oportunidades, especialmente na faixa entre R$ 225 mil a R$ 500 mil, que concentrou 26% da revenda e 45% da demanda ao longo de 2023.

Publicidade

Valorização e Lançamentos em São Paulo

Os lançamentos no mercado imobiliário entre 2022 e 2023 na capital paulista caíram 10%. Nos últimos quatro anos, o segmento médio-alto cresceu 5% ao ano. As unidades lançadas também diminuíram 5% entre 2022 e 2023. Durante esse período, o segmento de luxo teve um crescimento médio anual de 18%.

O V.S.O. (Vendas Sobre Oferta) em São Paulo aumentou 6% entre 2022 e 2023. O segmento de luxo se destacou com um crescimento de 26% e uma média de 8% ao ano nos últimos quatro anos.

Análise de Preço e Segmentação

Analisando o preço do m² do segmento médio-alto na cidade de São Paulo, houve um crescimento de 11% entre 2022 e 2023. O segmento econômico foi destaque de valorização com 20%. Nos últimos quatro anos, o segmento de luxo teve um crescimento médio de 13% ao ano.

Buscando uma análise mais detalhada sobre a cidade de São Paulo, foi observado que a Zona Central teve um crescimento de 24% nos produtos lançados e 19% das unidades lançadas, com foco maior no segmento econômico, que cresceu em média 111%. Em relação à valorização do preço do metro quadrado, o segmento de luxo se destacou com uma valorização de 46% comparado a 2022, ficando em torno de R$ 22.660.

Mercado Imobiliário em Florianópolis e Santa Catarina

Em Santa Catarina, o preço do metro quadrado continua aumentando, mesmo que de forma lenta. Das cinco cidades mais caras do Brasil para comprar imóveis, quatro são catarinenses, e todas registraram aumento no valor do metro quadrado. Em Balneário Camboriú, o aumento foi de 0,48%, de R$ 12.903 para R$ 12.993. Itapema teve uma variação de +0,45% (de R$ 12.766 para R$ 12.806).

O segmento de imóveis de luxo em Florianópolis mais que dobrou o número de ofertas de 2022 a 2023, com um aumento de 107%. O preço do metro quadrado alcançou R$ 19.314, uma valorização de 13% em um ano. O mercado na capital vem crescendo, em média, 43% por ano desde 2020, segundo o Anuário DataZAP.

Leia Também:

Fatores de Valorização em Florianópolis

Vários fatores impactam o aumento de preços. De acordo com o Censo de 2022, Florianópolis possui a terceira maior taxa de crescimento populacional entre as capitais brasileiras, gerando uma demanda por moradia que aumenta a procura por imóveis. A geografia limitada da ilha dificulta a expansão urbana, resultando na escassez de terrenos e no aumento dos preços, afetando as atividades de incorporação e construção.

Além disso, o desenvolvimento da cidade também impacta o crescimento do mercado de trabalho, e, consequentemente, a procura por imóveis. Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), Florianópolis é a quarta capital que mais concentra a força de trabalho localmente, com menor migração de trabalhadores de cidades vizinhas para atuar no mercado de trabalho da cidade.

Bairros Mais Caros de Florianópolis

Os bairros mais caros de Florianópolis para comprar um imóvel não inclui um dos mais luxuosos da Ilha de Santa Catarina: Jurerê não aparece na lista do FipeZap, que mensalmente faz o levantamento do preço médio do metro quadrado em diversas cidades brasileiras, inclusive na capital.

Bairros mais caros de Florianópolis:

  • Agronômica: R$ 13.650
  • Centro: R$ 11.754
  • Itacorubi: R$ 11.501
  • Córrego Grande: R$ 11.461
  • Trindade: R$ 11.292
  • Saco dos Limões: R$ 10.539

Fortaleza: Crescimento e Preferências

Fortaleza viu um crescimento de 45% no número de lançamentos no mercado imobiliário em 2023 comparado a 2022, com destaque para os imóveis de luxo, que aumentaram 104%. Avaliando os últimos quatro anos, o segmento de luxo manteve um crescimento médio de 40% ao ano.

Em 2023, foram lançadas 574 unidades de luxo, contra 281 em 2022. Imóveis econômicos tiveram um crescimento de 92%, chegando a 2.967 unidades em 2023, comparado a 1.544 em 2022. Imóveis de padrão médio-alto somaram 1.810 em 2023, uma queda de 3% comparado às 2.000 unidades do ano anterior.

Valorização e Demanda em Fortaleza

O preço do metro quadrado em Fortaleza ficou 26% mais caro em 2023 na comparação com 2022, de acordo com o Anuário DataZAP. O segmento de médio-alto padrão teve a maior variação de preço do metro quadrado, com alta de 32% em um ano.

Os bairros mais caros de Fortaleza incluem Parquelândia, Benfica, Bairro de Fátima, Luciano Cavalcante, Cidade dos Funcionários e Cocó. Meireles e Aldeota, tradicionais bairros de alto padrão, continuam a ter alta demanda, concentrando 17,4% da procura na capital cearense.

Fortalezenses demandaram mais anúncios de imóveis com até 90m², especialmente a faixa entre 60m² e 90m². Imóveis com três dormitórios foram destaque, e a preferência por imóveis no litoral também foi observada.

Mercado Imobiliário em Belém

A 2ª edição do Anuário DataZAP revelou um mercado imobiliário aquecido em Belém, onde a procura por imóveis é maior do que a oferta. Imóveis verticalizados na faixa de preço entre R$ 225 mil e R$ 500 mil são os mais buscados, representando 50% da procura, enquanto a oferta se mantém em apenas 25%.

Valorização em Belém

Bairros como São Brás, Nazaré e Umarizal apresentaram maior valorização do metro quadrado. Marco e Pedreira concentraram juntos 22,4% da demanda na capital paraense, destacando-se como áreas de intenso interesse. Umarizal concentrou mais de 10,5% da oferta de imóveis em Belém.

Em 2023, 58% dos anúncios em Belém eram para imóveis de três dormitórios, enquanto a geração de leads para essa tipologia foi de 51%. Imóveis de dois dormitórios superaram a oferta com uma busca de 37%. Quanto à área útil, anúncios para propriedades até 90m² foram os mais demandados, especialmente aqueles entre 60m² e 90m², que concentraram 36% da demanda nos portais. Anúncios com e sem suíte também foram os mais buscados, representando 69% da procura.

Destaques do Mercado Imobiliário

O mercado imobiliário brasileiro registrou crescimento e valorização em 2023, com destaque para imóveis de luxo em várias capitais. São Paulo, Florianópolis, Fortaleza e Belém apresentaram diferentes tendências e demandas, refletindo a diversidade do mercado imobiliário no país. A recuperação econômica prolongada teve impactos significativos no mercado de trabalho e na renda média, mas também trouxe desafios, como a pressão inflacionária e incertezas políticas.

Confira os dados do Anuário DataZAP 2024 AQUI!

conteúdo patrocinado

MAIS LIDAS

conteúdo patrocinado
conteúdo patrocinado